|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Padre português infetado com coronavírus pede responsabilidade, mas não medo

30 mar, 2020 - 15:23 • Ana Rodrigues

O padre António Pereira, de 76 anos, está em isolamento total, no Seminário dos Monfortinos, em Fátima.

A+ / A-

Veja também:


O padre António Pereira, que está infetado com o novo coronavírus, pede responsabilidade a todos, mas que não tenham medo.

O pároco, de 76 anos, está em isolamento total, no Seminário dos Monfortinos, em Fátima. Foi diagnosticado com Covid-19 depois de uma viagem de grupo a Israel. No regresso a Portugal, fez escala em Madrid, onde, ao que tudo indica, ocorreu o contágio. Das 17 pessoas do grupo, quatro estão com Covid-19. O pároco de Fátima foi o primeiro a revelar sintomas.

“Tive febre, tosse e dores no corpo, mas é preciso reagir. Ser positivo e ter coragem”, refere o sacerdote, em entrevista à Renascença. Pessoa muito querida por todos, muito pela sua maneira próxima de ser, o padre Pereira, também presidente da do Centro de Reabilitação e Integração de Fátima, pede “a todos, nesta altura muito difícil que o país e o mundo atravessam, que sejam responsáveis, mas que não tenham medo”.

Apesar do isolamento obrigatório, António Pereira refere que não se sente sozinho. Recebe muitos telefonemas, mas a sua preocupação, garante, “são as pessoas das paróquias".

"São elas que estão agora sempre no pensamento. São também a minha força”, acrescenta.

Isolado num quarto, mas a receber todo “o apoio e conforto" de que precisa, António Pereira quis deixar um apelo, através da Renascença.

“Isto não é uma brincadeira. É muito sério. Por isso a primeira atitude é o recolhimento e a segunda é não ter medo. É preciso coragem e fazer o que tem de ser feito”, pede o pároco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.