|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Algarve abre três áreas dedicadas ao novo coronavírus

26 mar, 2020 - 23:59 • Lusa

Administração Regional de Saúde abriu estes espaços na sequência da entrada de Portugal na fase de mitigação da pandemia de covid-19.

A+ / A-

Veja também:


A Administração Regional de Saúde (ARS) Algarve abriu esta quinta-feira três áreas dedicadas à covid-19 denominadas ADC-Comunidade, nos cuidados de saúde primários, uma em cada um dos agrupamentos de centros de saúde, em Portimão, Olhão e Tavira.

Em comunicado enviado, a ARS Algarve indica que abriu estes espaços na sequência da entrada de Portugal na fase de mitigação da pandemia de covid-19. "Estas áreas, criadas nos centros de saúde de Portimão, Olhão e Tavira, são destinadas apenas a atendimento de utentes com suspeitas de infeção pelo SARS-CoV-2, por equipas constituídas por médico, enfermeiro, assistente operacional, administrativo e equipa de limpeza", refere o comunicado.

Segundo a ARS Algarve, os ADC-Comunidade dos centros de saúde são compostos por salas de observação, área de receção, de espera e instalações sanitárias separadas dos restantes utentes, e vão funcionar num espaço completamente separado do atendimento aos doentes que não apresentem suspeitas de covid-19.

Nesta primeira fase, os ADC-Comunidade vão funcionar todos os dias de semana, entre as 08:00 e as 20:00, podendo o horário vir a ser alargado, caso se venha a justificar, explica a ARS Algarve.

No Centro Hospitalar Universitário do Algarve já se encontram a funcionar duas áreas dedicadas à covid-19: ADC-Serviço Urgência, 24 horas por dia, junto aos serviços de urgência da unidade hospitalar de Faro e de Portimão, lê-se no comunicado.

A ARS Algarve reforça ainda a importância de que "as pessoas que apresentem sintomas respiratórios ou febre", antes de se deslocarem a estas áreas dedicadas à covid-19, devem, em primeiro lugar, contactar a Linha SNS24 (808 24 24 24) que, após a avaliação, as "encaminhará para o serviço de saúde mais adequado".

No decorrer da próxima semana, a ARS Algarve, em articulação com os três agrupamentos de centros de saúde, Barlavento, Central e Sotavento, vai alargar o número de ADC-Comunidade nos principais centros de saúde da região, adianta o comunicado.

Complementarmente à abertura de ADC-Comunidade nos Cuidados de Saúde Primários, a ARS Algarve indica que, em articulação com os laboratórios convencionados da região, vai criar uma rede de 13 postos de colheita covid-19 convencionados, distribuídos pelo Algarve e que servirão para efetuar os testes prescritos nas ADC-Comunidade e através do SNS24.

No âmbito da reorganização da prestação de cuidados urgentes, nesta fase de mitigação em curso, informa ainda a ARS Algarve que os quatro serviços de urgência básica (SUB) do Centro Hospitalar Universitário do Algarve, em Lagos, Loulé, Albufeira e Vila Real de Santo António, "estão a funcionar em exclusivo para o atendimento a doentes não covid-19", com o objetivo de "garantir o necessário acesso e segurança no tratamento e prestação de cuidados de saúde a toda a população".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 505 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 23.000.

Depois de surgir na China, em dezembro de 2019, o surto já se espalhou por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.554 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23h59 de 2 de abril.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.