|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Testes rápidos ainda não têm aprovação do Instituto Ricardo Jorge e Infarmed

26 mar, 2020 - 13:40

A incapacidade de detetar o vírus nos primeiros dias após contágio é o motivo para a não utilização dos testes. Presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge garante que os testes podem apenas detetar casos positivos entre sete a dez dias depois da infeção.

A+ / A-

Veja também:


Fernando Almeida, presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), explica que os testes rápidos ao coronavírus ainda não têm luz verde para ser utilizados em Portugal por serem incapazes de detetar o vírus em fases iniciais de contágio.

"Tem havido tentação de se avançar para testes rápidos. O Instituto Ricardo Jorge tem sido ponderado e aconselhado o Ministério da Saúde e DGS a usar os testes clássicos, em que identificamos claramente o gene e o vírus. Há outros três tipos de teste que nenhum teve o parecer positivo do INSA nem do Infarmed", começa por dizer o presidente do INSA, hoje presenta na conferência de imprensa diária de atualização de informação relativa à infeção pelo novo coronavírus

A incapacidade de detetar o vírus nos primeiros dias após contágio é o motivo para a não utilização dos testes.

"Temos de ser muito criteriosos na utilização destes testes porque só detetam os anticorpos entre sete a dez dias depois da infeção. Podem ser válidos para uma fase subsequente, que não vai demorar muito a chegar, para perceber o nível de imunidade da população portuguesa", explica.

Fernando Almeida diz que Portugal precisa de testes que sejam claros na deteção do vírus para se evitar falsos negativos. "Precisamos que os testes que digam negativo sejam mesmo negativos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.