|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Portugal entra na fase de mitigação. Saiba o que vai mudar

25 mar, 2020 - 12:54 • Redação

A diretora-geral da Saúde anuncia que à meia-noite Portugal passa para a fase de mitigação, por transmissão comunitária. Graça Freitas prevê "alguma turbulência" durante o período de alteração. Saiba o que muda.

A+ / A-

Veja também:


A diretora-geral da Saúde anunciou esta quarta-feira que Portugal vai entrar "em fase de mitigação".

"Temos transmissão comunitária, ainda não exuberante nem descontrolada. Hoje, às 00h00, vai entrar um novo plano para abordar à Covid-19. Vamos passar das medidas da fase de contenção para as medidas da fase de mitigação", comunica, prevendo "alguma turbulência".

"Como em todas as mudanças, a fase de transição pode ter alguma turbulência". "Estamos cá para resolver os problemas que vão surgindo e contamos com a ajuda de todos. Vamos prestar assistência aos doentes de acordo com o grau de gravidade da doença", assegura.

Portugal estava até agora em fase de mitigação, por tranmissão local. Saiba o que muda com a passagem para a fase de mitigação, por transmissão comunitária.

O que é a fase de mitigação?

Na fase de mitigação já está disseminada a transmissão comunitária do novo coronavírus e já não é possível descobrir a origem das cadeias de transmissão – ou seja, já há casos de Covid-19 já com origem no território nacional.

Podemos então nesse caso falar de uma epidemia ativa?

Nesse cenário, chegámos ao nível 3 do sistema de alerta e resposta, onde as cadeias de transmissão já estão estabelecidas, e podem acontecer em ambientes abertos ou fechados.

O país passa assim a ter uma epidemia ou pandemia ativa, e as respostas são determinadas pela forma como evolui e estão em permanente atualização, face ao comportamento do vírus.


Porque se aciona outro nível e alerta?

As medidas de contenção já não chegam, a resposta passa a ser a mitigação dos efeitos do COVID-19 e a diminuição da propagação, com vista a minimizar a mortalidade ou até ao surgimento de uma vacina ou novo tratamento eficaz.

O que muda, e que cuidados devo ter?

Nesta fase é recomendada a utilização de máscaras, inclusive a quem não apresenta sintomas, em serviços de saúde ou em multidões.

Durante a mitigação, o isolamento dos doentes suspeitos ou confirmados, deve ser feito no domicílio ou instituição hospitalar referenciada, segundo a gravidade da doença e os cuidados necessários.

Como vão atuar os hospitais?

Os hospitais do SNS terão que admitir e tratar os doentes da sua área de referência, com suspeita ou confirmação de COVID-19.

O diagnóstico de rotina passa para os hospitais não pertencentes à Rede Laboratorial, com capacidade de internamento, incluindo o setor privado e social.

Todos os serviços de saúde devem ter a capacidade de lidar com um caso de COVID-19 ligeiro a moderado, os casos graves devem ser geridos em ambiente hospitalar. Existe a possibilidade de abertura de serviços de ambulatório regionais, para doentes COVID-19.

Os hospitais podem rastrear doenças respiratórias aos doentes que dão entrada e mesmo aos visitantes. Todas as equipas das unidades de saúde, do público e do privado, assim como das Farmácias, devem saber como atuar perante um caso suspeito.

Qualquer meio de transporte do INEM tem de estar preparado para transportar um doente COVID-19.

Evolução do coronavírus em Portugal

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Marcia Samora Santos
    25 mar, 2020 Mafra 13:06
    E muito triste,😟