|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Cloroquina não previne mas "pode diminuir replicação do vírus"

26 mar, 2020 - 12:52 • Lusa

Não há qualquer vantagem em tomar este medicamento sem prescrição médica e de forma preventiva, avisa o diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical no dia em que a DGS permite que os doentes internados possam ser tratados com este fármaco.

A+ / A-

Veja também:


O diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) disse nesta quinta-feira que a cloroquina não previne infeções pelo novo coronavírus, mas admitiu que pode ajudar a conter o vírus em doentes com Covid-19.

“O nosso conselho é que as pessoas não utilizem a cloroquina profilaticamente, porque não vai funcionar. A cloroquina só vai começar a funcionar a partir do momento em que a pessoa estiver infetada e vai ajudar a diminuir a replicação do vírus ao nível do pulmão”, afirmou Filomeno Fortes.

Em entrevista à agência Lusa, o médico angolano disse ainda que não há qualquer vantagem em começar a tomar este medicamento antimalárico sem prescrição médica e de forma preventiva, e que o mesmo se aplica à hidroxicloroquina, uma droga similar, usada no tratamento de doenças como a artrite reumatoide, o lúpus ou algumas doenças hepáticas.

Filomeno Fortes, que como médico usou cloroquina durante décadas para tratamento da malária, explicou que o medicamento “tem efeitos anti-inflamatórios e analgésicos e ajuda a estabilizar as células do pulmão e isto contribui para a inibição da multiplicação do vírus”, disse.

“Verificou-se que cerca de 57% dos doentes infetados reagiram positivamente com a administração da hidroxicloroquina, mas esta reação mostrou-se mais favorável quando associada a um antibiótico, sendo que o que se tem associado mais é a azitromicina”, disse.

Nesta quinta-feira, a Direção-Geral da Saúde aprovou o uso de alguns antivirais apontados como esperanças no combate à Covid-19. A norma publicada determina a abordagem aos doentes nesta nova fase de mitigação e refere-se que, “à data”, podem ser “equacionadas terapêuticas antivirais” em pacientes internados.

A administração dos fármacos deve ser feita de acordo com uma série de critérios e sempre dependendo de avaliação clínica.

A DGS sublinha também que não há atualmente medicamentos autorizados para tratamento de Covid-19, e que, de entre os candidatos terapêuticos, “considerando o conhecimento científico atual e as recomendações da OMS”, são estes que se encontram em investigação.

A propósito, o Infarmed lança um alerta, esta quinta-feira, para possibilidade da existência de medicamentos falsificados na internet, no âmbito da pandemia de Covid-19, e apelou aos consumidores para comprarem apenas em sites autorizados.

Para doentes em enfermaria, podem ser considerados cloroquina ou hidroxicloroquina e lopinavir/ritonavir, se os doentes apresentarem insuficiência respiratória e evidência radiológica de pneumonia, ou, no caso das crianças, se apresentarem algumas doenças prévias.

OMS ainda não aprovou a venda

O uso de cloroquina ou da hidroxicloroquina no tratamento de infeções pelo novo coronavírus foi recomendada pelos Presidentes norte-americano, Donald Trump, e brasileiro, Jair Bolsonaro, mas o uso do fármaco para esse fim ainda não foi aprovado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

As recomendações, associadas a vídeos virais nas redes sociais a promover a substância, estão a provocar um aumento de procura em vários países, mesmo sem prescrição médica – sendo que na Nigéria já foram reportados casos de sobredosagem e nos Estados Unidos um homem morreu após a ingestão de cloroquina.

Países como a República Democrática do Congo, a Nigéria ou o Brasil anunciaram que vão adotar a cloroquina para tratar doentes de Covid-19 e na Guiné-Bissau o medicamento esgotou mesmo antes de serem registados os primeiros casos da doença e em Moçambique a procura também aumentou.

De acordo com Filomeno Fortes, em Portugal é também já “muito difícil” encontrar o medicamento à base de hidroxicloroquina.

“Está praticamente esgotado nas farmácias”, disse, apelando para que as pessoas não façam automedicação.

Filomeno Fortes ressalvou que, apesar da combinação terapêutica estar adotada na Europa e nos Estados Unidos para outros fins, o seu uso no tratamento de doentes de Covid-19 continua a levantar dúvidas à OMS por não haver “evidência suficiente em número de casos em comparação com outros esquemas terapêuticos”.

O diretor do IHMT alertou ainda que a cloroquina tem efeitos secundários importantes, incluindo hipotensão, alterações cardíacas ou convulsões e que, em caso de sobredosagem ou administração incorreta, pode levar à morte dos doentes.

“É preciso ter algum cuidado na utilização da cloroquina”, disse, adiantando que, no contexto da pandemia do novo coronavírus, a opção por este tratamento implica sempre “uma decisão política, técnica e de humanismo”.

Angola e Cabo Verde registam, cada um, três casos da covid-19 nos seus territórios, tendo ocorrido uma morte pela doença em Cabo Verde.

Moçambique confirmou cinco casos de infeção e a Guiné-Bissau dois.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Globalmente, o continente africano contabiliza mais 2.700 casos e 72 mortes.

Mais de três mil milhões de pessoas de 70 países estão em casa
Mais de três mil milhões de pessoas de 70 países estão em casa
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.