|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Estado de emergência

Coronavírus. 54 pessoas detidas desde domingo por crimes de desobediência

26 mar, 2020 - 19:45 • Redação

Em quatro dias foram encerrados 1.031 estabelecimentos comerciais que violaram as medidas impostas para conter a propagação do novo coronavírus em Portugal.

A+ / A-

Veja também:


O Ministério da Administração Interna (MAI) anunciou esta quinta-feira que entre a meia-noite de domingo, quando as medidas do estado de emergência entraram em vigor, e as 18h00 de hoje foram registadas 54 detenções por crime de desobediência, “designadamente por violação da obrigação de confinamento obrigatório e por outras situações de desobediência ou resistência”.

Em comunicado, o ministério de Eduardo Cabrita refere também que foram encerrados 1.031 estabelecimentos comerciais “por incumprimento das normas estabelecidas”, ou seja, por violarem a obrigação de suspensão da sua atividade.

A terminar, o comunicado apela a todos os cidadãos para “o escrupuloso cumprimento das medidas impostas pelo estado de emergência, contribuindo assim para conter a propagação da pandemia”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera, e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira. Dos infetados, 191 estão internados, 61 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00h00 de 19 de março e até às 23h59 de 2 de abril.

Evolução do coronavírus em Portugal

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.