|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

OMS pede união ao G20 no combate contra o coronavírus

26 mar, 2020 - 19:22 • Lusa

Líderes do G20 anunciaram a injeção de mais de 4,5 biliões de euros na economia mundial para contrariar as consequências sociais, económicas e financeiras da pandemia.

A+ / A-

Veja também:


A Organização Mundial de Saúde (OMS) apelou esta quinta-feira aos líderes dos países membros do G20 que reúnam esforços na luta contra a covid-19, e solicitou a criação de um movimento global que impeça que esta pandemia se repita.

"Juntaram-se para enfrentar a crise de saúde mais decisiva dos nossos tempos. Estamos em guerra com um vírus que ameaça separar-nos, se deixarmos", afirmou em comunicado Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

Isto, depois de uma reunião extraordinária dos líderes do G20, que anunciaram a injeção de mais de cinco biliões de dólares (4,5 biliões de euros) na economia mundial "para contrariar as consequências sociais, económicas e financeiras da pandemia".

O responsável incentivou os líderes das 20 maiores economias do mundo a lutar "sem desculpas" contra a crise provocada pelo novo coronavírus, agradecendo aos países que já tomaram medidas, e pedindo para que façam ainda mais para conter os efeitos provocados nos mais diversos âmbitos da sociedade pela covid-19.

Ghebreyesus também os encorajou a unirem esforços, destacando que "nenhum país pode combater isto sozinho", e pediu a todos que mantenham a onda de solidariedade que já se iniciou com a crise.

Por fim, o diretor-geral da OMS desafiou-os a iniciarem um movimento global que garante que uma pandemia deste género nunca mais aconteça.

Os países que integram o G20 são os Estados Unidos, Rússia, China, França, Alemanha, Reino Unido, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Coreia do Sul, África do Sul, Turquia, Arábia Saudita e União Europeia.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.