|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Clubes portugueses querem avançar para o corte dos salários dos jogadores

26 mar, 2020 - 09:45 • Redação

O jornal "Record" informa que a ideia passa por definir um critério uniforme a todas as equipas profissionais.

A+ / A-

O jornal "Record" anuncia que os clubes dos campeonatos profissionais têm conversado sobre o tema da redução dos ordenados, sendo consensual que a proposta vai mesmo avançar.

Os clubes ainda aguardam por uma posição definitiva do Governo, relativamente às questões laborais, mas a ideia passa por definir um critério uniforme que possa ser aplicado da mesma forma a todos os clubes das competições profissionais.

O objetivo passa por proteger os jogadores com ordenados mais baixos, havendo a possibilidade de criação de escalões, de forma a que os futebolistas com melhores contratos, possam descontar mais.

A medida tem sido apresentada por diversos clubes no futebol europeu, como resposta à ausência de receitas consequente da suspensão dos campeonatos, depois do epicentro do coronavírus estar agora localizado no continente europeu.

A última jornada do campeonato português foi disputada no fim-de-semana de 7 e 8 de março. A jornada seguinte, 25, seria disputada à porta fechada, mas a Liga acabou por suspender a prova.

De resto, a Liga anunciou, a 19 de março, que Boavista, Desportivo das Aves, Cova da Piedade, Académica, Vilafranquense e Leixões já estavam em incumprimento salarial devido "devido aos constrangimentos atuais provocados pela pandemia Covid-19", nomeadamente na dificuldade de obtenção da documentação necessária.

À data, Portugal conta com 2995 casos confirmados, mais de 21 mil casos suspeitos, 276 doentes internados, 22 recuperados e 43 mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.