|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Famílias deixam de ter de pagar prestações de crédito em tempo de coronavírus

25 mar, 2020 - 13:28 • Sandra Afonso

Em resposta à actual pandemia, o Banco de Portugal decidiu flexibilizar algumas regras no financiamento às famílias.

A+ / A-

O Banco de Portugal vai facilitar o crédito pessoal. Em resposta à actual pandemia, o supervisor decidiu flexibilizar algumas regras no financiamento às famílias.

Desde logo, cai a obrigatoriedade do pagamento regular das prestações, no âmbito do actual contexto. A medida destina-se a “créditos pessoais com maturidades até dois anos, devidamente identificados como destinados a mitigar situações de insuficiência temporária de liquidez”, por famílias que ultrapassem o limite da taxa de esforço.

As famílias ficam ainda dispensadas de pagar regularmente capital e juros, o que não as impede de se candidatarem às moratórias que estão a ser incluídas nas medidas de resposta à covid-19 ou, mesmo, "às moratórias que os bancos têm vindo a conceder de forma voluntária".

Mantém-se, no entanto, a recomendação para que a maturidade dos créditos pessoais sejam reduzidos para sete anos, à excepção dos financiamentos para “educação, saúde e energias renováveis, em que continuará a ser 10 anos desde que estas finalidades sejam devidamente comprovadas",

Em comunicado, a instituição liderada por Carlos Costa lembra que “a pandemia Covid-19 alterou de forma abrupta e significativa as condições económicas e financeiras a nível nacional e internacional.” Por isso, e tendo em conta a “estabilidade financeira”, o Banco de Portugal entendeu avaliar se “a Recomendação macroprudencial em vigor permanece adequada".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Come santos
    26 mar, 2020 Vila Nova de Gaia 18:53
    Meus senhores a E. D. P não lhes ficaria bem dar um desconto aos proficionais de saudade, tendo em conta esta situação, que todos os dias banham e as roupas são todas lavadas a temperaturas mais altas. Pois andam com grandes carros aos fim de semana a passear, tenham noção que é muito importante.
  • Estela Artur
    25 mar, 2020 Lisboa 16:17
    Boa tarde, Esta notícia parece uma boa notícia, só que não entendo grande parte da linguagem. O que implica, concretamente, para quem já tem crédito pessoal a decorrer, com prazo superior a 2 anos? Tem algum efeito prático para esses? As minhas desculpas desde já pelas dúvidas, mas realmente ao ler a notícia não fiquei certa de ter percebido o que está ou não envolvido e/ou abrangido nela. Obrigada desde já pela ajuda.