Tempo
|
A+ / A-

​Costa e mais oito líderes europeus querem emissão de "coronabonds"

25 mar, 2020 - 17:20 • Cristina Nascimento com agências

“Precisamos de trabalhar num instrumento comum de dívida, emitida por uma instituição europeia, para angariar fundos no mercado”, lê-se na carta assinada pelos líderes de Portugal, França, Itália, Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Irlanda, Grécia e Eslovénia.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro português, António Costa, e outros dois líderes europeus escreveram uma carta ao presidente do Conselho Europeu a pedir a implementação de um instrumento europeu comum de emissão de dívida para enfrentar a crise provocada pela covid-19.

Segundo a agência Reuters, a carta foi enviada esta quarta-feira e pode ser alvo de discussão numa vídeo conferência agendada para quinta-feira, a terceira que se vai realizar desde que se intensificou o surto de coronavírus na Europa.

“Precisamos de trabalhar num instrumento comum de dívida, emitida por uma instituição europeia, para angariar fundos no mercado”, lê-se no documento, dirigida a Charles Michel e assinada pelos chefes de Estado e de Governo de Portugal, França, Itália, Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Irlanda, Grécia e Eslovénia.

“Este instrumento de dívida comum deveria ter o tamanho suficiente e uma maturidade longa, de modo a ser totalmente eficiente”, defendem ainda.

A pandemia de covid-19 colocou inesperadamente na agenda europeia a questão da mutualização da dívida, sendo cada vez mais as vozes a defender a emissão de obrigações pan-europeias, ou ‘coronabonds’, para amortecer o brutal impacto socioeconómico do novo coronavírus.

Atualmente, cada país da zona euro emite títulos de dívida nos mercados de obrigações, com garantias nacionais. Os ‘coronabonds’ seriam emitidos em nome da União Europeia, o que significa que seriam emissões de dívida partilhadas pelo conjunto dos Estados-membros, protegendo assim os mais frágeis de especulações de mercado e taxas de juro altíssimas.

No entanto, na reunião do Eurogrupo celebrada na terça-feira à noite, por videoconferência, os ministros das Finanças europeus, sem excluírem a eventual mutualização da dívida, privilegiaram a possibilidade de ativar uma linha de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE).

No final do encontro, o presidente do Eurogrupo, e ministro das Finanças português, Mário Centeno, questionado sobre a possibilidade de emissão comum de dívida, ou os chamados ‘coronabonds’, apontou que “nenhuma solução foi hoje afastada” e garantiu que serão “exploradas todas as possibilidades”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    26 mar, 2020 Lisboa 17:58
    Ameacem com uma cisão na dita UE e a constituição de uma outra UE concorrente, de que fariam parte os países que pedem eurobondes - principalmente Espanha, Itália e França, com a hipótese de integração mais tarde da Inglaterra - e avisem que a acontecer essa UE 2, haverá taxas para a importação de BMW/Mercedes/Porsches/ outros carros/ tulipas, etc. Vão ver como Alemanhas, Suécias, Holandas e quejandos metem a viola no saco, que eles ganham fortunas é a impor-se ao Sul da Europa, não nas "guerras" entre eles.