|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Turismo exige medidas claras e rápidas para travar encerramentos

25 mar, 2020 - 16:39 • Ana Carrilho

A Confederação do Turismo defende que as medidas já anunciadas pelo Governo para apoiar as empresas têm que ser “mais claras, simplificadas, ajustadas e de rápida operacionalização” para evitar a destruição de milhares de postos de trabalho. “Toda a cadeia de valor do turismo está em risco”, alerta o Francisco Calheiros.

A+ / A-

O presidente da Confederação do Turismo (CTP) avisa que os empresários do setor estão a sofrer uma quebra abrupta de receitas que não lhes permite pagar, de imediato, salários, fornecedores, impostos ou créditos.

Há empresas prestes a encerrar e outras que já fecharam portas. “Toda a cadeia de valor do turismo está risco”, alerta.

Francisco Calheiros aponta a falta de clarificação da portaria 71-A/2020 sobre o ‘lay-off’ simplificado – que vai na terceira alteração, mas ainda não foi regulamentada e publicada.

A CTP diz aguardar que seja clarificado em concreto qual a medida que o executivo quis implementar: um apoio extraordinário para a manutenção dos postos de trabalho e/ou uma simplificação do que regularmente se entende por regime do ‘lay-off’?

A Confederação do Turismo defende que o Governo deve eliminar os critérios restritivos e pouco percetíveis da portaria, simplificando os processos administrativos.

Por outro lado, apela a que as medidas de apoio aos empresários não venham introduzir demasiadas dúvidas a nível jurídico e que tragam a necessária clareza legal, sem carga burocrática excessiva.

Pacotes de apoios em subsídios diretos às empresas

No que toca aos apoios financeiros que têm vindo a ser anunciados, a Confederação do Turismo frisa que ainda não chegaram às empresas. “Nem o anunciado pacote de 200 milhões de euros” anunciado no dia 9 de março.

Francisco Calheiros diz ainda que os processos para a concessão de crédito são morosos e burocráticos, as taxas de ‘spread’ são demasiado altas e as linhas de crédito precisam de reforço em vários setores.

“As empresas estão sem liquidez, necessitam de medidas de auxílio diretos e sem requisitos”. Por isso, a CTP defende que o Governo deveria considerar a possibilidade de criar pacotes de apoio em subsídios diretos às empresas, “à semelhança do que está a acontecer em alguns países europeus”.

O comunicado termina com críticas e apelos à União Europeia. O líder da CTP diz que a flexibilização do Pacto de Estabilidade e Crescimento não é suficiente neste quadro económico em que as empresas estão paralisadas e os postos de trabalho em risco.

“Necessitamos de auxílios financeiros diretos para as empresas e não apenas, mecanismos de endividamento”, apela Francisco Calheiros, que também defende uma realocação de verbas do orçamento comunitário para apoio aos estados membros, dinamização da atividade económica e apoios às micro, pequenas e médias empresas.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 25 mar, 2020 18:42
    Lendo o que leio em cima e ouvindo o Senhor Presidente da CIP bem como outros Empresários Portugueses os quais dizem estar com dificuldades financeiras devido á CRISE Covid-19 e tendo presente a crise de 2008 pergunto; como é possível hoje com duas semanas de crise haver DIFICULDADES de tesouraria e na altura haver um EMPRESÁRIO emprestar CENTENAS de MILHAR ou MILHÕES sem registo CONTABILÍSTICO? Se alguém souber faça o favor de me esclarecer.