|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Crédito Agrícola suspende pagamentos dos créditos até 12 meses

25 mar, 2020 - 18:18 • Sandra Afonso

O banco decidiu seguir a mesma linha de outros e lançar moratórias para particulares e empresas, antecipando-se ao Governo e ao Banco de Portugal. A medida abrange o crédito à habitação, ao consumo e créditos ao investimento e tesouraria, para o caso das empresas.

A+ / A-

Para responder aos efeitos da pandemia de Covid-19, o Crédito Agrícola lançou a Linha de Crédito de Apoio Especial – Fundo Maneio, para empresas e empresários em nome individual.

A linha é acessível a todos os setores para pagamento de salários, encargos com a manutenção da atividade e pagamento a fornecedores, até 100 mil euros.

Além disso, está disponível no Crédito Agrícola a Linha de Crédito Capitalizar 2018 Covid-19, lançada pelo Estado, com um montante global de 200 milhões de euros e com um limite de financiamento de 1,5 milhões de euros por empresa e por linha específica.

Para os particulares, foi lançada a Linha de Crédito de Apoio Especial Pessoas Singulares para despesas de saúde, compensar a diminuição do rendimento ou outras situações.

O Crédito Agrícola junta-se assim a bancos como a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e BPI, lançando moratórias para particulares e empresas antecipando-se ao Governo e ao Banco de Portugal.

A medida permite uma carência de capital ou prorrogação do termo do prazo de pagamento até 12 meses, sendo que as duas são cumulativas.

As moratórias abrangem o crédito à habitação, ao consumo e créditos ao investimento e tesouraria, para o caso das empresas. As condições serão ajustadas “às orientações ou decisões que vierem a ser tomadas pelas autoridades legislativas ou regulatórias, europeias ou nacionais”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.