|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Centeno admite recessão, mas "país nunca esteve tão bem preparado para uma crise"

25 mar, 2020 - 16:31 • Sandra Afonso , com redação

Ministro das Finanças não avança números sobre o impacto da crise provocada pelo coronavírus, mas admite um rombo de "vários pontos percentuais" na riqueza produzida.

A+ / A-

Veja também:


Portugal pode entrar em recessão este ano por causa da pandemia de coronavírus, mas nunca esteve tão bem preparado para uma crise desta natureza, afirmou esta quarta-feira o ministro das Finanças, Mário Centeno.

"Neste contexto de grande indefinição face a este inimigo invisível temos, contudo, algumas certezas: a primeira é que tudo faremos para restaurar a confiança e regressar à normalidade, outra certeza é que o país nunca esteve tão bem preparado para uma crise desta natureza", declarou o ministro das Finanças, em conferência de imprensa.

Poucos anos depois, Portugal volta a mergulhar numa crise económica. Desta vez não é estrutural, sublinha o ministro das Finanças, mas é inevitável, admite Mário Centeno, uma consequência da actual pandemia.

“Os cenários que temos pela frente são cenários de paragem temporária, de uma dimensão muito substancial, do nosso tecido económico. Isso levará a uma redução muito acentuada da atividade económica no segundo trimestre de 2020 e uma recuperação, no sentido da normalidade, no resto do ano.”

“Obviamente, estamos sempre a falar num cenário de recessão, no conjunto do ano. Este cenário de recessão será tão mais forte quanto mais tempo levemos a retomar, eu diria, todas as nossas atividades habituais, que realizávamos até ao dia 15 de março deste ano”, sublinha o ministro das Finanças.

Mário Centeno não avança números sobre o impacto desta crise, mas admite um rombo de vários pontos percentuais, na riqueza produzida.

“É cedo para construir cenários numericamente detalhados, mas estaremos obviamente a falar de números que podem facilmente fazer com que o saldo orçamental em 2020 se venha a deteriorar em alguns pontos percentuais do PIB.”

O ministro das Finanças reafirma, ainda, a disponibilidade do Governo para corrigir as contas deste ano, numa altura em que acabou de obter a promulgação do Orçamento do Estado, por parte do Presidente da República. Sem falar em retificativo, Mário Centeno garante que as contas serão ajustadas, à medida que for reunida a informação necessária.

“Esta capacidade de executar o Orçamento vai ser, seguramente, um desafio extraordinariamente maior em 2020 e quando pudermos ter ou a necessidade ou a capacidade de prever o que temos que ajustar do Orçamento de Estado em 2020, assim o faremos”, afirma.

Mário Centeno acrescenta que o Governo tudo fará para "restaurar a confiança e regressar à normalidade", só não garantiu que a solução não passe por novas medidas de austeridade.

[notícia atualizada às 16h54]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ANTONIO FERREIRA
    25 mar, 2020 19:01
    Congratularam-se com um superativ de 0,2% pela 1ª vez em democracia. Mas não lamentaram a situação actual de pandemia - também a 1.ª vez em democracia. Como é costume só elogios. Eu meu entender não foram eles que contribuíram nem para o superavit nem para a pandemia. Ah esquecia-me das cativações...
  • 25 mar, 2020 18:08
    Nao e preciso esse joao duque" estou ca eu! Quem que acredita neste mentiroso!
  • Americo Anastacio
    25 mar, 2020 Leiria 17:30
    Outra vez a mesma conversa. Estamos preparados para quê ?