|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Governo garante equipamentos, mas prazos de entrega estão a falhar

24 mar, 2020 - 18:54 • Eunice Lourenço

“Todos os dias temos desagradáveis surpresas”, disse António Costa no debate quinzenal dedicado inteiramente ao coronavírus.

A+ / A-

Veja também:


O governo tem tido todos os dias “desagradáveis surpresas” nos negócios de compra de equipamentos para o serviço nacional de saúde, adiantou o primeiro-ministro no debate quinzenal desta quinta-feira. Essas surpresas prendem-se sobretudo com prazos de entrega que estão a derrapar.

António Costa deu o exemplo da compra de 500 ventiladores à China. Na madrugada de segunda-feira, o Governo pagou a pronto 10 milhões de dólares para garantir o equipamento, mas “o prazo de entrega tem vindo a evoluir” todos os dias.

Foram várias as perguntas sobre equipamentos médicos feitas ao primeiro-ministro durante o debate quinzenal. A começar pelo deputado do PSD Ricardo Batista Leite, que defendeu a necessidade de proteger os profissionais de primeira linha.

Na resposta, António Costa desfiou o role de equipamento, que depois repetiria na resposta a José Luis Ferreira, do PEV, com alguns acrescentos na resposta ao Cotrim Figueiredo, da Iniciativa Liberal:

• Botas: 381.482

• Protetores de calçado: 743.575

• Fatos de proteção: 549.837

• Luvas esterilizadas: 6, 813.259

• Luvas não esterilizadas: 10, 654.459

• Máscaras com viseira: 368.397

• Máscaras cirúrgicas: 17, 145.762

• Outras máscaras: 8, 665.775

• Toucas: 1, 261. 492

• Testes: 280 mil testes comprados, com 80 mil a serem entregues até dia 29

• Zaragatoas: 481 mil encomendadas

No debate, o primeiro-ministro também foi confrontado com as declarações feitas na véspera, em entrevista à TVI, no sentido de que não faltava nada ao SNS. Costa aproveitou para corrigir: “Não digo que não tenha faltado nada, não faltou foi nada essencial á vida de nenhum doente.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.