|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Empresas equacionam regresso de portugueses a trabalhar em Angola

24 mar, 2020 - 09:28 • Luís Aresta

A TAP prevê realizar dois voos, um na quarta-feira e outro no sábado, para apoiar portugueses que estão em Angola e desejem deixar o país.

A+ / A-

Segundo apurou a Renascença, algumas empresas que mantêm portugueses a trabalhar em Angola estão já em contacto com os serviços da Embaixada de Portugal em Luanda para estudar o eventual regresso dos expatriados. O agravamento no país do surto de Covid-19 está no horizonte. Trabalhadores expatriados têm manifestado grande preocupação e o regresso a Portugal - nalguns casos com as respetivas famílias - é um cenário cada vez mais real.

A TAP prevê realizar dois voos, um na quarta-feira e outro no sábado, para apoiar portugueses que estão em Angola e desejem deixar o país, segundo informou o Consulado-Geral de Portugal em Luanda no seu site oficial.

No caso de quarta-feira, os interessados deverão consultar os canais comerciais da transportadora aérea portuguesa. Segundo a agência Lusa, os preços deste voo variam aproximadamente entre 1.500 euros em classe económica e 2.630 em classe executiva, por passageiro. Já o voo de sábado está a ser preparado em colaboração com uma agência de viagens.

Angola fechou fronteiras

Os dois voos da TAP serão uma exceção à regra. Angola fechou fronteiras à circulação de pessoas desde as 00h00 de 20 de março, durante pelo menos 15 dias, para tentar travar a propagação da pandemia da Covid-19, mas tem autorizado alguns voos excecionais para permitir a entrada de cidadãos angolanos e o regresso de estrangeiros aos países de origem.

Oficialmente, em Angola há agora três casos confirmados de Covid-19. Segundo as autoridades sanitárias angolanas, trata-se de cidadãos angolanos que viajaram de Portugal na semana passada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.