|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

A luta contra o coronavírus também é uma guerra de patentes nas vacinas

23 mar, 2020 - 21:25 • Marina Pimentel

Vítor Palmela Fidalgo, especialista em propriedade intelectual, disse à Renascença que a vacina contra o novo coronavírus é uma arma com uma dupla eficácia para Donald Trump.

A+ / A-

Veja também:


É a solução por que todos esperam. Só a descoberta de uma vacina poderá por um fim à crise que estamos a atravessar. A China, os Estados Unidos e a Alemanha são os países mais avançados no processo. É uma corrida contra o tempo. Mas em que está em causa muito mais do que a saúde pública. Há muitos milhares de milhões em jogo. E pelos menos para um dos competidores, vale tudo.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ofereceu altas quantias em dinheiro à empresa alemã CureVac para que transferisse a sua sede para os Estados Unidos e aceitasse desenvolver a vacina contra coronavírus exclusivamente para americanos.

Foi igualmente noticiado que uma colaboradora da empresa CureVac, que era cidadã norte-americana, foi contratada, em tempo recorde, pela Casa Branca. A Alemanha já veio dizer que nunca dará o exclusivo da patente a nenhum país e que a mesma deverá ser usada com um fim público.

Quem chegar primeiro à vacina para a Covid-19 poderá patenteá-la e ter a exploração exclusiva, em cada país. Por isso, esta questão é tão importante para Donald Trump.

Vítor Palmela Fidalgo, especialista em propriedade intelectual, explica em declarações à Renascença que a vacina contra o novo coronavírus é uma arma com uma dupla eficácia para Donald Trump.

“É uma arma política, porque as invenções, ou, de um modo mais geral, a tecnologia, são muitas vezes usadas para impor estratégias comerciais, como tarifas aduaneiras, ou um determinado investimento estrangeiro”, afirma Vitor Palmela Fidalgo.

O professor na Faculdade de Direito de Lisboa defende que “Donald Trump tem recorrido constantemente a chantagens desse tipo, algumas delas executadas, como a imposição de tarifas a produtos chineses e europeus”.

Lembra que “no caso da Europa, Donald Trump chegou a dizer que a forma de ter a Europa de joelhos seria colocar taxas alfandegárias à exportação de carros para os Estados Unidos”.

Chegar em primeiro lugar à meta, na corrida pela vacina, dará também relevância comercial aos americanos, tanto mais importante quanto vamos assistir à devastação da economia à escala global. E sobretudo poderá dar muito dinheiro aos Estados Unidos, por causa do sistema de patentes.

EUA dominam sistema de propriedade intelectual


Vítor Palmela Fidalgo explica que “os Estados Unidos são o país que mais beneficia, no mundo, do sistema de propriedade intelectual. A transação de obras musicais, cinematográficas ou produtos farmacêuticos, geram milhares de milhões de euros à economia americana.”

As patentes são direitos de propriedade intelectual, no caso da vacina, trata-se de propriedade industrial, que têm como objeto invenções de caráter técnico, que sejam verdadeiramente novas e inovadoras.

O sistema de patentes, diz Vítor Palmela Fidalgo, “é como se fosse um contrato social entre o Estado e o inventor. Em troca de a informação ser tornada pública e também pelo esforço da investigação, o Estado atribui ao inventor um monopólio de exploração de 20 anos. Quem chegar primeiro à vacina para a Covid-19, poderá patenteá-la e ter a exploração exclusiva em cada país”.

O que pode Portugal fazer

Se o Estado português for confrontando com um problema de acesso ao medicamento da Covid-19, o que poderá fazer?

Perante a eventual “instrumentalização do sistema de patentes”, seja pela imposição de determinadas políticas comerciais seja por custos excessivos no acesso ao medicamento, o especialista em propriedade industrial defende que “o Estado português tem meios que permitem fazer face a esta circunstância, através das chamadas licenças obrigatórias ou compulsórias”.

As licenças obrigatórias permitem “quebrar patentes”, ou seja, atribuir licenças de utilização da invenção patenteada, sem o consentimento do seu proprietário.

Vítor Palmela Fidalgo diz que o Código de Propriedade Industrial refere, expressamente, a possibilidade de atribuir licenças obrigatórias por razões de saúde pública.

Esta possibilidade nunca foi utilizada em Portugal, mas é possível. O titular da patente receberá um “royalty” razoável, que terá sempre um custo mais baixo do que aquele que é normalmente pedido pelo proprietário”.

O jurista adverte, no entanto, que “a concessão de uma licença obrigatória sobre uma patente poderá gerar a retaliação económica do Estado onde está sedeada a empresa titular da patente”. De qualquer forma, a simples existência deste mecanismo, permite, muitas vezes, uma negociação mais ajustada no acesso aos medicamentos patenteados.

Casos de coronavírus na Europa

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.