Tempo
|
A+ / A-

​Almaraz pode ter que fechar por causa do coronavírus

23 mar, 2020 - 15:31 • Dina Soares

A Covid-19 já chegou a Almaraz. A maior central nuclear de Espanha poderá ter que parar caso não consiga substituir as pilhas de urânio enriquecido essenciais ao seu funcionamento.

A+ / A-

Veja também:


A central nuclear de Almaraz poderá ser obrigada a fechar caso não consiga garantir o fornecimento de material de recarga. Esta operação, que consiste na substituição dos elementos de combustível essenciais para a produção de energia elétrica, estava prevista para o próximo domingo, dia 29, mas, devido às restrições impostas em Espanha por causa da epidemia de Covid-19, foi adiada para 14 de abril.

Em declarações à Renascença, o ambientalista António Eloy, dirigente do Observatório Ibérico de Energia, diz que “Almaraz debate-se ainda com um enorme problema de falta de pessoal, já que um terço dos seus trabalhadores estão em casa, de quarentena ou infetados”.

Esta falta de pessoal deixa a central muito mais desprotegida. “Todas as centrais têm um número estabelecido de funcionários para poderem trabalhar. Isto para que quando há falhas – e em Almaraz tem havido imensas – elas possam ser logo detetadas. A vigilância tem que ser intensa. Se não for, a falha pode transformar-se num desastre.”

Acresce que o fornecimento de combustíveis e de peças para substituição está também a ser afetado. Este problema, aliado ao decréscimo do consumo de energia elétrica provocado pelo abrandamento da atividade económica, já levou, aliás ao encerramento de duas centrais em França e de uma na Grã-Bretanha.

Exército assume segurança das centrais nucleares

Entretanto, o Governo espanhol está a substituir a Guardia Civil por militares na segurança das sete centrais ainda em funcionamento no país.

António Eloy apurou junto dos membros do Observatório em Espanha, que “a presença do Exército está a causar alguma tensão entre as populações, já bastante abaladas com a gravidade da epidemia de Covid-19.” Além disso, as explicações avançadas pelas autoridades para esta mudança – “riscos de segurança externa ou interna” não especificados – agravam o clima de suspeição.

A central de Almaraz, a maior do país, fica a cerca de 100 quilómetros da fronteira portuguesa e usa a água do rio Tejo para refrigeração. Recentemente, o governo espanhol autorizou o prolongamento do tempo de vida desta e de outras centrais até aos 40 anos. No entanto, António Eloy acredita que algumas vão ter que fechar antes do termo do prazo. “A Autoridade de Segurança Nuclear impôs um conjunto condições de funcionamento tão severas que muitas poderão não ter capacidade de as respeitar e terão mesmo que fechar.”

Gráfico sobre o coronavírus na Europa

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco Barros
    23 mar, 2020 15:46
    se possível os nºs de infectados pudessem ser referidos por Concelho