Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus. ASAE identifica "subidas exorbitantes de preços" nos materiais de prevenção

20 mar, 2020 - 10:17 • Redação

Operação nacional fiscalizou lucros ilegítimos em bens necessários para prevenir pandemia.

A+ / A-

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) identificou "subidas exorbitantes de preços" nos últimos dias, relacionadas com a venda de bens necessários para a prevenção e combate à pandemia de Covid-19.

Num comunicado enviado à redação, a ASAE informa a operação incidiu sobre equipamentos de proteção individual e dispositivos médicos, como máscaras, luvas e fatos, assim como produtos biocidas designadamente álcool, gel e desinfetantes.

Como resultado da ação, que decorreu a nível nacional, foram fiscalizados cerca de 28 operadores económicos, tendo sido instaurado um processo-crime pela prática de obtenção de lucro ilegítimo na comercialização de álcool gel e dois processos de contraordenação por práticas comerciais ilegais, estando ainda em análise documental cinco ocorrências, por suspeita de obtenção de lucro ilegítimo.

"A operação foi desencadeada por se ter verificado, nos últimos dias, oferta online e em estabelecimentos fixos de vários produtos essenciais para combater a Covid-19 que mostravam subidas exorbitantes de preços", refere o comunicado.

A ASAE acrescenta que, enquanto autoridade de fiscalização de mercado, vai continuar a "desencadear ações no combate à especulação", garantindo ainda que os produtos que estão no mercado cumprem os requisitos, garantindo a concorrência leal e a segurança dos consumidores.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 245 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 10 mil morreram.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou na quinta-feira o número de casos confirmados de infeção para 785, mais 143 do que na quarta-feira. O número de mortos no país subiu para quatro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.