|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Marcelo decreta estado de emergência. "Não é uma interrupção da democracia" nem "uma vacina"

18 mar, 2020 - 20:09 • Redação

Presidente decretou esta quarta-feira estado de emergência por 15 dias em todo o território nacional, para conter a propagação do novo coronavírus em Portugal. Medida entra em vigor à meia-noite desta quinta-feira.

A+ / A-
Marcelo garante que estado de emergência “não interrompe democracia”, mas também não é "vacina”
Veja o discurso na íntegra

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu esta quarta-feira à noite, em declaração ao país, que a decisão de declarar o estado de emergência em Portugal é "excecional", numa altura também ela excecional, que ainda vai “durar mais tempo” e que vai ser “um teste nunca visto ao Serviço Nacional de Saúde, à sociedade e à economia”.

Marcelo Rebelo de Sousa entende o combate à pandemia do novo coronavírus, e repetiu-o diversas vezes durante o discurso à nação, como “uma guerra” – e na guerra, lembra, o combate “é tarefa de todos e não de cada um abandonado à sua sorte”.

O estado de emergência, de acordo com o decreto-lei publicado em Diário da República, entra em vigor à meia-noite desta quinta-feira.

Na linha da frente da guerra contra a pandemia de Covid-19 em Portugal está o SNS e estão os profissionais de saúde, explica Marcelo Rebelo de Sousa, “que continuam a fazer heroísmo diário”.

É também por isso que as recomendações que diariamente chegam da Direção-Geral da Saúde têm que ser “acatadas”, é esse o “dever” dos portugueses agora, usando-se “da experiência de quem já viveu tudo”. “Os portugueses têm sido exemplares, disciplinaram-se e entenderam que o combate é duro e longo”, acrescentou o Presidente.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou igualmente um elogio ao Governo, que tem em mãos “uma tarefa hercúlea” e soube, até agora, “adotar medidas sem parar a vida e a economia”. E garante, Marcelo, que todos, Presidente e partidos, “apoiam” as decisões do executivo, porque o tempo é de “unidade” e só a unidade permite “vencer esta guerra”.

Agora que o estado de emergência foi decretado, Marcelo Rebelo de Sousa reconhece que a medida “dividiu os portugueses”, pois haverá sempre quem “reclame medidas para ontem” e quem considere “prematura” a opção do Presidente. “Em plena crise, as pessoas sentem-se ansiosas, angustiadas e exigem mais medidas. Mas o estado de emergência não é um milagre que vai resolver tudo num dia, numa semana ou num mês”, ressalva.

A decisão de avançar agora, e só agora, para a medida, explica Marcelo Rebelo de Sousa, assentou em cinco razões essenciais. Desde logo, “antecipar e reforçar a solidariedade entre poderes públicos e deles com o povo”, aprendendo com as decisões, certas ou erradas, que outros países tomaram e “poupando etapas, mesmo que pecando por excesso”.

A segundo razão, garante o Presidente, foi a “prevenção”. “O povo diz que mais vale prevenir que remediar. O que seria se agíssemos mais tarde?”, questionou.

Por outro lado, a declaração do estado de emergência dá “certezas”, ou seja, uma base de direito para que, mais tarde, quando a crise acabar, “não venha ser questionado” o que se fez. O Presidente garante igualmente que a “contenção”, outro dos motivos que o levaram a decidir avançar para a declaração, “não atingirá os direitos fundamentais” da população.

Por fim, enumerando motivos, Marcelo Rebelo de Sousa destaca a “flexibilidade”: a medida dura 15 dias e pode vir a ser renovada, o que é um “sinal político forte”, que não “rigidifica” o exercício do Governo, mas, antes, vem dar-lhe “poderes” – desde logo o de reavaliar as medidas a tomar, “num combate que muda com o tempo”.

O Presidente salvaguarda que o estado de emergência “não é a interrupção da democracia”, mas, sim, a democracia “a tentar impedir uma interrupção na vida das pessoas”. Ao mesmo tempo, também não é “uma vacina” nem uma “solução milagrosa”, sendo imperativo, garante, “o combate diário”. “Depende da contenção nas próximas semanas encurtar prazos e salvar vidas. Temos todos que contribuir para ir o mais longe e o mais depressa possível nesta luta desigual”, explica.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou ainda uma palavra às empresas, exigindo do Estado que “ajude a economia a aguentar nestes meses mais agudos”. “Não podemos parar a produção. Em tempo de guerra as economias não podem morrer”, lembra.

A terminar, o Presidente da Repúblico fez um “pedido” para vencer um “inimigo invisível e perigoso”. “Temos que lutar todos os dias contra ele. Apesar do desanimo, do cansaço e da fadiga do tempo que nunca mais chega ao fim. Tudo o que nos enfraquecer e dividir nesta guerra, vai alongar a luta – e vai ser mais custosa. Resistência, solidariedade, coragem e verdade são as palavras de ordem. O caminho ainda é longo, difícil e ingrato. Mas não duvido que vamos vencer. Na nossa história vencemos sempre os desafios cruciais”, garantiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.