|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus

​Presidente Marcelo tenta corrigir rumo com estado de emergência. Parlamento não se opõe

17 mar, 2020 - 01:03 • Paula Caeiro Varela

Primeiro-ministro voltou a manifestar contrariedade com estado de emergência, mas Governo já está a trabalhar com o Presidente quanto ao desenho das medidas.

A+ / A-

Veja também:


A audição do Conselho de Estado, esta quarta-feira de manhã, é só uma forma de Marcelo Rebelo de Sousa ter mais um respaldo público para o que já está decidido na cabeça do Presidente da República: a declaração do Estado de Emergência. O Presidente já falou da medida com vários partidos, no que é visto por fontes contactadas pela Renascença como uma tentativa de Marcelo corrigir o rumo que tem tido nesta crise.

O primeiro-ministro, contudo, deixou claro no domingo, na conferência de imprensa em que anunciou ele próprio a reunião do órgão de consulta do Presidente, que não desejaria para já avançar para essa medida. E esta segunda-feira à noite voltou a manifestar a sua contrariedade, em entrevista à SIC.

"Se o senhor Presidente decidir, o Governo dará parecer favorável”, disse Costa, acrescentando que o Governo até já está a trabalhar com o Presidente no desenho das medidas num quadro de estado de emergência.

Apesar de garantir que o Governo executará se for essa a decisão presidencial, António Costa considera que é preciso ter em conta que o período de evolução desta pandemia não se limita às próximas duas semanas (tempo de duração do decreto do estado de emergência, que pode ser prorrogado) e, no domingo, garantiu : os portugueses podem ter “a certeza de que faremos tudo o que seja necessário, mas que também não faremos nada em excesso da restrição dos seus direitos e liberdades“.

O primeiro-ministro considera que as medidas de restrição à circulação necessárias não obrigariam à declaração de emergência nacional, mas essa foi uma das razões apresentadas pelo Presidente da República em conversas com partidos com assento parlamentar, para explicar a decisão de avançar para esse decreto.

Fontes parlamentares adiantam à Renascença que Marcelo Rebelo de Sousa também considera que é a forma de obrigar empresas privadas que têm travado medidas como a suspensão da atividade ou mesmo a possibilidade de os seus funcionários trabalharem a partir de casa.

Coronavírus: Evolução diária em Portugal

O Parlamento vai aprovar sem hesitações, garantem as mesmas fontes, apesar de nem todos os partidos votarem a favor e das dúvidas levantadas por vários. A Iniciativa Liberal, por exemplo, considera esta medida uma “consequência direta da falta de coragem e competência, ao mais alto nível técnico e político, para tomar medidas eficazes a tempo”. Não vão opor-se, mas estarão vigilantes, garantem.

Ao contrário, Rui Rio fez nota pública de que apoiaria essa declaração e, desde a reunião da passada quinta-feira com o primeiro-ministro, o líder do PSD declarou que “incentivaria até” medidas que fossem menos simpáticas.

Um Presidente “errático” em ano pré-eleitoral

As leituras políticas da situação nos partidos com assento parlamentar não são simpáticas para o Presidente, que tem estado fechado em casa por causa da quarentena, nos dias em que a pandemia começa a agudizar-se no nosso país.

A visão global é bem mais benévola para o primeiro-ministro, apesar das críticas sobre as hesitações, coincidentes da esquerda à direita, incluindo no PS.

Na comparação com a crise dos incêndios de 2017, dizem fontes partidárias, desta vez é António Costa quem está a liderar, ao passo que o Presidente da República parece “errático e pode custar a reeleição, pelo menos nos termos em que ele supunha até agora”.

Nos partidos da oposição aponta-se a falta de capacidade de liderança no Governo e no Presidente, mas com larga vantagem para Marcelo no barómetro das críticas. E o Presidente “tem levado tanta pancada que decidiu agir”.

Tem dúvidas sobre o coronavírus? Deixe-nos as suas perguntas aqui e os especialistas de saúde pública respondem em antena e no digital da Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.