|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Marques Mendes. Estado de emergência é inevitável pois país vive “estado de guerra”

16 mar, 2020 - 07:30 • Redação

Comentador lembra que o “estado de emergência nunca aconteceu”, mas diz ser inevitável.

A+ / A-

Perante os últimos números de infetados com o novo coronavírus, Luís Marques Mendes defende que as medidas já tomadas são insuficientes.

“As medidas foram na boa direção. Agora, não tenham dúvida que são insuficientes, como de resto se está a ver, já que todos os dias têm havido mais medidas”, lembrou no seu habitual espaço de comentário na SIC.

Marques Mendes considera positivo ter sido marcado um Conselho de Estado, para se pronunciar sobre esta matéria. “Julgo que uma medida de quarentena obrigatória ou uma medida de estado de emergência é inevitável. É uma decisão que nunca aconteceu em Portugal, desde que temos a nossa Constituição. Aconteceu antes ainda da Constituição, em 75. Nunca aconteceu. É uma medida própria do estado de guerra”.

O Conselho de Estado desta quarta-feira, para analisar o eventual estado de emergência em Portugal devido à pandemia de Covid-19, realiza-se por videoconferência, e o Presidente será o único em Belém.

Numa mensagem de vídeo publicada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa afirma ter "acompanhado a situação minuto a minuto" e por isso decidiu "convocar o Conselho de Estado para a próxima quarta-feira para que se debruce também sobre a eventual decisão de decretar o estado de emergência".

Coronavírus: Evolução diária em Portugal

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.