Tempo
|
A+ / A-

​Idosos, sem-abrigo e crianças. Lisboa reforça apoio em tempo de coronavírus

16 mar, 2020 - 15:48 • Marta Grosso , Henrique Cunha

Plano foi divulgado pelo presidente da Câmara nas redes sociais. Cantinas, apoio domiciliário, centros de acolhimento e escolas para os profissionais dos serviços essenciais são os pontos chave.

A+ / A-

Veja também:


“O pior que nos poderia acontecer agora seria somar uma crise de natureza social à crise que vivemos”, diz o presidente da Câmara de Lisboa na apresentação do reforço das medidas de apoio social, nesta segunda-feira.

Num vídeo divulgado no Facebook, nestsa segunda-feira, Fernando Medina salienta que “estamos perante uma crise de saúde pública cujo impacto testará todos nós”, pelo que a Câmara coloca em prática “quatro medidas fundamentais”.

Crianças e famílias carenciadas

Por toda a cidade, há 26 cozinhas e refeitórios em escolas, com vista a providenciar a alimentação completa do dia para todos os alunos mais necessitados.

Idosos

“Estamos a falar de idosos nossos vizihos que não têm autonomia para algumas ou várias tarefas quotidianas”, refere o presidente da autarquia.

O objetivo é providenciar um “forte alargamento” do apoio domiciliário, num “trabalho conjunto com a Santa Casa da Misericórdia, Juntas de Freguesia e centros paroquiais”, que irão providenciar refeições quentes, higiene pessoal e medicamentos a todos os idosos com dificuldade de mobilidade e autonomia pessoal.

Este apoio destina-se aos idosos já apoiados pela Câmara e àqueles que se encontravam em centros de dia que tiveram de ser encerrados, bem como a outros que, não estando em nenhum destes locais, não tenham autonomia.

Sem-abrigo

Todos os centros de acolhimento de sem-abrigo têm planos de contingência aprovado, medidas de higienização reforçadas, espaço de isolamento para algum caso suspeito e planos de quarentena se necessário, anuncia Fernando Medina.

Além disso, estão a ser montados “mais dois espaços para situações de quarentena” e, no início desta semana, o Pavilhão do Casal Vistoso servirá para acolher os sem-abrigo que não se encontram nos centros existentes.

Educação

Lisboa tem nove escolas para acolher os filhos dos profissionais dos serviços essenciais que necessitem deste apoio.

Segundo o presidente da Câmara de Lisboa, “este é o maior programa de apoio social alguma vez montado na cidade”.

Este reforço deve-se à pandemia de Covid-19 que já colocou o país em estado de alerta e já infetou um total de 331 pessoas em Portugal. Na quarta-feira, o Presidente da República deverá decidir se decreta o estado de emergência.

Tem dúvidas sobre coronavírus? Deixe-nos as suas perguntas aqui e os especialistas de saúde pública respondem em antena e no digital da Renascença.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+