Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus. Funcionárias da limpeza da Metro do Porto recusam-se a trabalhar

16 mar, 2020 - 11:12 • João Cunha

Metro já pediu explicações à empresa subcontratada para a limpeza.

A+ / A-

Recusam-se a trabalhar, as funcionárias de uma empresa responsável pela limpeza das instalações e das carruagens da Metro do Porto. Pelo menos, até que lhes seja fornecido equipamento de proteção contra o novo coronavírus.

“Elas não têm luvas, não têm desinfetantes, não têm os materiais necessários para se protegerem”, revela à Renascença o coordenador da secção regional norte do Sindicato dos Trabalhadores de Portaria, Vigilância e Limpeza, nesta segunda-feira.

“A única coisa que elas reivindicam é proteção idêntica àquela dos outros trabalhadores do Metro”, adianta Eduardo Teixeira.

O sindicalista recorda as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS) para dizer que, “mesmo não tendo recomendado o uso de máscaras”, “luvas e desinfetante é o básico”.

“As trabalhadoras da limpeza não são menos que ninguém”, e como tal, devem ser protegidas, defende ainda.

Do lado da Metro do Porto, aguardam-se explicações da empresa a quem foi subcontratado o serviço de limpeza, tanto de carruagens como de estações. Só depois poderá ser tomada uma decisão quanto ao normal funcionamento da rede.

À Renascença, fonte da Metro do Porto garante que a limpeza das carruagens foi feita, nesta manhã, pelas funcionárias da mesma empresa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.