|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus. Governo fechou escolas 10 dias após recomendação do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças

13 mar, 2020 - 18:01 • Sérgio Costa

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças tinha recomendado, no início do mês, o fecho de estabelecimentos de ensino e locais de trabalho, o cancelamento de reuniões e o distanciamento social.

A+ / A-

O encerramento de escolas e outras medidas restritivas contra a pandemia de coronavírus já tinham sido recomendados, a 2 de março, pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças. O Governo português avançou com o fecho dos estabelecimentos de ensino dez dias depois.

Segundo o documento entretanto divulgado (leia aqui em formato PDF), o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças tinha recomendado no início do mês o fecho de estabelecimentos de ensino e locais de trabalho, o cancelamento de reuniões e o distanciamento social para países com crescente número de contágios.

Só esta quinta-feira, o Governo impôs medidas restritivas, dia em que o organismo europeu as considerou de aplicação necessária e imediata face ao substancial agravamento da situação.

O primeiro-ministro, António Costa, invocou o segundo relatório do mês de março do Conselho de Prevenção de Doenças, mas já no início do mês as medidas restritivas eram já recomendadas face ao cenário de propagação do vírus.

Em declarações à Renascença, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, defende que as medidas de contenção deviam ter começado mais cedo e que o Governo “podia ter ido mais longe”.

“A Ordem dos Médicos tem vindo a defender que estas medidas já deviam ter sido tomadas há mais tempo. Antes de 2 de março, a Ordem e a Apifarma recomendaram fortemente a todos os médicos e a todas as organizações que anulassem os congressos, as reuniões científicas, e as passassem para setembro ou depois, antes do próprio conselho europeu.”

Miguel Guimarães afirma que o problema do coronavírus "não é propriamente novo" e todo o mundo viu o que aconteceu na China e noutros países.

O bastonário deixa, nestas declarações à Renascença, duras críticas ao Conselho Nacional de Saúde Pública, que na quarta-feira esteve reunido e não recomendou o encerramento de todas as escolas em Portugal.

“O que não é nada e de todo compreensível é a decisão do Conselho Nacional de Saúde Pública tomou. Se este Conselho Nacional de Saúde pública é a equipa de peritos que toma decisões sobre esta matéria, é um bocado complicado. Coloca em causa o papel deste organismo", afirma Miguel Guimarães.

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que esta questão não põe em causa o Ministério da Saúde, mas coloca em evidência que há problemas de aconselhamento.

“Não queria falar em descoordenação. Até agora, a sra. diretora-geral da Saúde, a sra. ministra e o Governo, como um todo, tomaram as decisões que acharam mais adequadas. O que me deixa mais preocupado, além do atraso destas medidas, é o facto de provavelmente estas pessoas que estão a tomar decisões estão a ser aconselhadas pelo Conselho Nacional de Saúde Pública e, se estão a ser aconselhadas pelo Conselho, as coisas podem correr menos bem. Espero que daqui para a frente haja um diálogo maior”, apela Miguel Guimarães.

Coronavírus: Evolução diária em Portugal

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    13 mar, 2020 Coimbra 20:52
    É lamentável a atitude do governo!!! Não respeitar a recomendação da autoridade europeia e estar à espera da opinião do Conselho Nacional da Saúde, que demonstraram ser totalmente incompetentes e irresponsáveis. A atitude do governo e do conselho, são um crime contra o povo português. O conselho deve deve extinto ou mudar para pessoas responsáveis e competentes. O que vi na televisão um senhor "Professor Doutor", o que não significa competência!! Pois só 10% é que serão competentes e saberão mais que um licenciado, com especialidade, os outros 90%, sabem bem menos, que os licenciados, com especialidade. É estranho não se saber os nomes que compõe o conselho.Acabemos de dar a importância aos "Professores Doutores", que não têm, nem sabem ensinar.