Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus. Greve mantém-se na função pública, mas não nos serviços de saúde

09 mar, 2020 - 18:20 • Lusa

Greve nacional da Administração Pública está marcada para dia 20 deste mês.

A+ / A-

Veja também:


A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública anunciou esta segunda-feira que mantém a greve nacional marcada para dia 20, mas garante o normal funcionamento dos serviços de saúde nesse dia devido ao impacto do novo coronavírus.

"A greve vai manter-se pelos mesmos motivos que foi convocada, contra a imposição negocial do Governo, por aumentos salariais dignos, pela revisão da tabela remuneratória única", começou por dizer o líder da Frente Comum, Sebastião Santana, em conferência de imprensa, em Lisboa.

"No entanto, foi entendimento da Frente Comum não contribuir para o alarmismo social que existe e, fazendo justiça ao sentido de responsabilidade dos trabalhadores da administração pública, nomeadamente os da saúde, optámos por assegurar o normal funcionamento dos serviços dependentes do Ministério da Saúde", afirmou o dirigente sindical.

Em 28 de fevereiro, a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública anunciou uma greve nacional para 20 de março, exigindo aumentos salariais de 90 euros para todos os trabalhadores em 2020 e a "correção urgente" da tabela remuneratória única.

A decisão foi anunciada durante um plenário nacional de sindicatos da administração pública, realizado junto à residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, Lisboa.

Os sindicatos da Frente Comum, estrutura da CGTP, exigem uma "efetiva negociação por aumentos salariais reais", depois de o Governo ter avançado com uma atualização de 0,3% para a função pública e um acréscimo de 10 euros nos dois níveis remuneratórios mais baixos (até cerca de 700 euros).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.