|

130 mil migrantes já passaram a fronteira entre a Turquia e a Grécia

130 mil migrantes já passaram a fronteira entre a Turquia e a Grécia

|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

04 mar, 2020 - 10:50 • Redação com agências

A Turquia acusa a Grécia de matar um migrante, Atenas nega "categoricamente".

A+ / A-

O primeiro-ministro da Hungria revelou que cerca de 130.000 mil migrantes já conseguiram atravessar a fronteira entre a Turquia e a Grécia, na zona dos Balcãs.

Durante uma conferência de imprensa, Viktor Orban afirmou que este fluxo tem que ser travado o mais rápido possível. “Não vai ser suficiente defender esta fronteira. Como último recurso… vamos defender a fronteira externa da Europa.”

A Grécia enfrenta uma brutal pressão nas suas fronteiras externas com a Turquia, depois de o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ter decidido ‘abrir as portas’ aos refugiados que pretendem rumar à Europa, numa tentativa de garantir mais apoio ocidental na questão da guerra na Síria.

Turquia acusa Grécia de matar um migrante

As autoridades turcas acusaram a Grécia de matar a tiro um migrante que tentava entrar no país e ferir outros cinco.

De acordo com o gabinete do governador da cidade turca de Edirne, os militares gregos abriram fogo quando um grupo de migrantes que estava na Turquia tentou forçar a entrada na Grécia, cerca das 11h00 (8h00 em Lisboa), tendo atingido um deles no peito.

“A Turquia está a divulgar notícias falsas”, assegurou o porta-voz do Governo grego, Stelios Petsas. “Nego categoricamente” que a Grécia tenha atirado sobre migrantes que tentavam atravessar a fronteira da Turquia para a Grécia, disse.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou ainda Atenas de violar tratados internacionais de direitos humanos e de “afundar barcos” e disparar balas reais em refugiados que tentam entrar no país a partir da Turquia.

“Os gregos, que usam todos os meios para impedir que os migrantes entrem no seu território – chegando a afogá-los ou matando-os com balas reais - não se devem esquecer de que, um dia, também poderão precisar de compaixão”, afirmou Erdogan num discurso hoje realizado em Ancara.

Erdogan lembrou que muitos gregos escaparam do país durante a Segunda Guerra Mundial e pediu ao Governo grego que “respeite os refugiados que chegam ao seu território”.

A União Europeia e a Turquia celebraram em 2016 um acordo no âmbito do qual Ancara se compromete a combater a passagem clandestina de migrantes para território europeu em troca de ajuda financeira num valor total de 6 mil milhões de euros para financiar o acolhimento dos refugiados, especialmente os sírios que fogem da guerra.

A Turquia, que acolhe no seu território cerca de quatro milhões de refugiados, anunciou na sexta-feira ter aberto as fronteiras com a Europa, ameaçando deixar passar migrantes e refugiados, numa aparente tentativa de pressionar a Europa a assegurar-lhe um apoio ativo no conflito que a opõe à Rússia e à Síria.

Ministros do Interior da UE reunidos

Os ministros dos Assuntos Internos da União Europeia (UE) vão reunir-se esta quarta-feira em Bruxelas num encontro extraordinário sobre a situação nas fronteiras comunitárias, particularmente tensa para a Grécia e Bulgária, após as ameaças da Turquia.

Além dos Estados-membros da UE, este Conselho contará, excecionalmente, com representantes de países associados a Schengen.

A convocação desta reunião surgiu depois de a Turquia ter anunciado, no final da semana passada, a abertura de fronteiras para deixar passar migrantes e refugiados para a UE, ameaçando assim falhar aos compromissos assumidos com o bloco comunitário.

O objetivo do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, é garantir mais apoio ocidental na questão síria.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou uma ajuda financeira de 700 milhões de euros à Grécia para responder à pressão migratória no país, sobretudo de migrantes vindos da Turquia, mobilizando ainda assistência médica através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil.

Realçando as "circunstâncias extremas e a situação difícil e tensa" no país, após uma visita à fronteiras externas gregas, a responsável avisou a Turquia: "Todos os que tentam testar a unidade europeia vão ficar desapontados, pelo que esta é altura de reafirmarmos os nossos valores europeus".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Observador
    04 mar, 2020 aqui 19:55
    Se os Gregos dispararam, então foi para proteger o seu território dos ditos migrantes que na pratica são invasores. Ninguém os quer a deambular pelas ruas da Europa a nossas expensas. A Grécia e a Bulgária, mas principalmente a Grécia deve ser de imediato ajudada a defender a fronteira. O dinheiro que ia para a Turquia, deve ser de imediato reenviado para a Grécia. E a Turquia que vá morrer longe.