|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Fátima

Coronavírus faz “baixas” no turismo religioso e afeta workshop internacional

04 mar, 2020 - 13:40 • Teresa Paula Costa

Epidemia de Covid-19 já levou a desistências para o workshop e há hotéis, nomeadamente os que trabalham o mercado asiático, que registam taxas de cancelamento de até 20%.

A+ / A-

Veja também:


Centenas de pessoas ligadas ao turismo estarão reunidas nos próximos três dias em Fátima e na Guarda para mais um workshop internacional de turismo religioso, mas o evento deste ano está a ser marcado por desistências devido à epidemia do novo coronavírus.

A edição deste ano tinha tudo para ser o maior workshop internacional de turismo religioso de sempre, mas o número de participantes vai ser o habitual. A epidemia de coronavírus levou já à desistência de operadores de vários países, revelou à Renascença a presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Ourém (ACISO).

“Tivemos quatro países que deixaram de estar presentes, nomeadamente a Costa do Marfim, Croácia, Nova Zelândia e Uruguai. Nos restantes países houve casos em que houve uma ou duas desistências, mas como havia um maior número de participantes há presença na mesma desses países.”

“As pessoas alegaram que o motivo era esta possível epidemia, e o medo de viajar de avião. O problema não era propriamente o destino, mas com as viagens, com os aeroportos, essas questões, e nalguns sítios com indicações dos próprios organismos de saúde”

A secção de hotelaria em Fátima está a acusar a crise provocada pelo Covid-19, embora a dimensão do problema varie consoante os clientes com os quais os hotéis costumam trabalhar.

“Temos situações muito díspares, consoante os hotéis trabalham com os mercados asiáticos, ou com grupos espanhóis. Desde termos hotéis com impacto praticamente nulo até hotéis com taxas de cancelamento que rondam os 20%. E há hotéis que trabalham essencialmente com o cliente individual, que só no dia-a-dia podem ir vendo se as taxas de ocupação são inferiores ou não, mas não têm um cancelamento prévio”, explica a dirigente da ACISO.

“Existe preocupação sobretudo se a situação evoluir no sentido negativo e não for invertida a curto prazo.”

Mesmo assim, centenas de pessoas ligadas ao turismo, entre elas, responsáveis por locais religiosos, operadores turísticos e empresários hoteleiros, irão participar no workshop promovido pela ACISO, na tentativa de concertarem estratégias de acolhimento aos jovens.

A temática do evento deste ano vira-se para esta faixa etária, disse Purificação Reis. “Para percebermos os que procuram os jovens na vivência da sua espiritualidade e religiosidade. Sabemos que são formas diferentes de viver a religião, de viver a espiritualidade, e importa conhecê-las para podermos dar resposta ao que os jovens procuram a esse respeito”.

O workshop decorre esta quinta-feira em Fátima, com uma conferência sobre “A juventude, a religião e a espiritualidade: desafios antigos em tempos novos” e uma outra sobre a Jornada Mundial da Juventude.

Na sexta-feira, o dia será reservado aos contactos entre os participantes e no sábado, os trabalhos decorrerão na cidade da Guarda.

Em Portugal há cinco casos confirmados de coronavírus, todos em estado considerado estável. A nível mundial, desde o início do surto registaram-se mais 90 mil casos, dos quais quase 50 mil recuperaram e mais de 3.100 morreram.

A Direção-Geral da Saúde, que tem um microsite com múltiplas informações sobre a doença, recomenda como principais medidas de prevenção a frequente lavagem de mãos. Em caso de possível contágio, a indicação é ligar para o SNS 24 (808 24 24 24) e evitar deslocações aos serviços de saúde.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.