|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Turquia. Acusação a Erdogan motiva cenas de pancadaria no Parlamento

04 mar, 2020 - 16:34 • Filipe d'Avillez

Um deputado acusou o Presidente Erdogan de desrespeitar os militares turcos que morreram em Idlib. Os apoiantes do Governo não gostaram e reagiram com violência.

A+ / A-
Discussão motiva cenas de pancadaria no Parlamento turco
Discussão motiva cenas de pancadaria no Parlamento turco

Dezenas de deputados envolveram-se numa cena de pancadaria no Parlamento turco, depois de um deputado ter acusado o Presidente Erdogan de ter desrespeitado soldados turcos mortos na Síria.

O mesmo deputado já tinha feito acusações idênticas numa conferência de imprensa e numa série de tweets. Acusa Erdogan de ser responsável pela morte de dezenas de soldados na Síria, por ter mandado homens para Idlib sem cobertura aérea.

Engin Ozcok, do Partido Popular Republicano, na oposição, estava a falar no Parlamento quando começou a cena de violência, ao qual se juntaram dezenas de deputados, alguns para participar e outros a tentar impedir as trocas de murros. Houve até pessoas que subiram às secretárias e lançaram objetos.

Racep Tayyip Erdogan, o Presidente da Turquia, lançou o exército para Idlib, no noroeste da Síria, em apoio aos rebeldes que lutam contra o regime de Bashar al-Assad, que por sua vez é apoiado pela Rússia e pelo Irão.

Vários militares turcos morreram em ataques do exército sírio, com Erdogan a pedir a Vladimir Putin para sair de cena em Idlib, deixando a Turquia tratar da situação sozinha, mas a Rússia não tem dado qualquer sinal de que pretende abandonar a sua parceira Síria.

Idlib é a última bolsa da Síria onde ainda existem rebeldes e Bashar al-Assad está apostado em reconquistar todo o território no final de nove anos de guerra civil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.