|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

Casa Comum
Paulo Rangel e Francisco Assis debatem a política nacional e europeia. Quarta às 13h.
A+ / A-
Arquivo
Casa Comum - "Marcelo lavou as mãos como Pôncio Pilatos" - 04/03/2020
Casa Comum - "Marcelo lavou as mãos como Pôncio Pilatos" - 04/03/2020

Paulo Rangel

Escândalo na Relação de Lisboa. "Marcelo lavou as mãos como Pilatos, esteve mal ao não fazer nada"

04 mar, 2020 • José Pedro Frazão


A par do caso no Tribunal da Relação de Lisboa, relacionado com a Operação Lex, Paulo Rangel e Francisco Assis debateram a epidemia global de coronavírus e a nova crise de refugiados na União Europeia no programa "Casa Comum" desta semana.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, "esteve mal ao não fazer nada" face às suspeitas de abuso de poder no sorteio de processos no Tribunal da Relação de Lisboa.

Quem o defende é o eurodeputado do PSD Paulo Rangel, no programa "Casa Comum" desta quarta-feira. "Marcelo lavou as mãos como Pôncio Pilatos. Esta é uma matéria constitucional de primeira linha e ele esteve mal ao não fazer nada", defende o social-democrata.

Apesar de garantir que tem "uma enorme confiança na Justiça portuguesa", Rangel contrapõe em tom crítico que "este é um caso com reação tardia que contribui para a demagogia sobre a Justiça".

Em causa está a alegada manipulação de processos no Tribunal da Relação de Lisboa pelo ex-presidente da instância, Vaz das Neves, e o seu sucessor, Orlando Nascimento, que renunciou ao cargo no início da semana face às suspeitas.

Sobre o mesmo assunto, o ex-eurodeputado socialista Francisco Assis é menos crítico da figura do Presidente da República. "Admito que se tenha resguardado para esperar pela reação do aparelho judicial", refere Assis, sem deixar de sublinhar que estamos perante "um dos casos mais graves na Justiça em Portugal" de que tem memória.

"É um tudo gravíssimo, tem de ser totalmente elucidado, não pode subsistir qualquer dúvida."

Neste "Casa Comum", os dois políticos debateram ainda a situação na fronteira da Turquia com a Grécia no rescaldo de renovados ataques do regime sírio à província de Idlib, que estão a gerar um novo êxodo de refugiados; e também a epidemia de coronavírus, que esta quinta-feira levou o Governo italiano a ordenar o encerramento de milhares de escolas por todo o país durante as próxima duas semanas.


Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.