|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

Ana Sofia Carvalho
Opinião de Ana Sofia Carvalho
A+ / A-

​E se os meus impostos fossem gastos para patrocinar “aventuras” sexuais arriscadas? Bem-vindo progresso…

02 mar, 2020 • Opinião de Ana Sofia Carvalho


Estamos a falar de uma doença evitável não só através de comportamentos responsáveis, mas, também, com o uso de um meio de prevenção muito barato, que é o preservativo.

Os jogos sexuais, entre pares hétero e homossexuais, têm assumido contornos de criatividade e de risco cada vez mais fora do imaginário comum. Possivelmente, completamente fora do nosso imaginário… No entanto, perceber que o Estado patrocina com milhares de euros, que resultam dos impostos de todos nós, este tipo de comportamentos é, no mínimo, preocupante. Num sistema de saúde em insustentabilidade crónica, com limitações várias à comparticipação de variadíssimos fármacos, inclusive oncológicos, esta situação assume contornos de injustiça e discriminação que se não fosse verdadeira quase pareceria anedótica.

A situação em causa está relacionada com a dispensa de um fármaco que, ao que parece, diminui, mas não evita, o contágio com o vírus da SIDA. Este programa disponível no sítio do SNS 24 pode concretizar-se em duas situações: uma situação de prevenção pré-exposição (PrEP) ou em situações de prevenção pós-exposição ((PPE). Claro que estas possibilidades são eticamente responsáveis e recomendáveis no caso de casais serodiscordantes (quando um dos elementos está infetado e outro não) ou em casos de exposição acidental como poderá acontecer p.e. nos profissionais de saúde. Ou seja, o que aqui analisamos são as situações de procura de um estabelecimento hospitalar para dispensa de um fármaco quando se sabe que se vai ter um comportamento sexual de risco, reduzindo, assim, a possibilidade de contágio em relação à infeção por VIH.

A situação pós-exposição consiste na toma de medicamentos antirretrovirais durante os 28 dias seguintes a uma eventual situação de exposição numa situação de sexo de risco sendo eticamente muito questionável em situações em que essa exposição foi consciente e deliberada.

Claro que se compreende que esta estratégia está, no essencial, desenhada no sentido de reduzir os casos de SIDA no país. Também é fácil perceber que o tratamento de doentes com esta patologia é muito dispendioso. No entanto, estamos a falar de uma doença evitável não só através de comportamentos responsáveis, mas, também, com o uso de um meio de prevenção muito barato, que é o preservativo. Confesso que perante a escassez de recursos humanos e financeiros para tratar de forma digna quem está realmente doente, este patrocínio do Estado a comportamentos irresponsáveis é no mínimo inaceitável. Mais uma vez se sublinha a necessidade de transparência e da equidade na distribuição dos parcos recursos em saúde. Francamente gostaria de objectar (em consciência) que os meus impostos fossem gastos para esse fim…Uma vez mais é a ditadura das minorias que impera…Bem-vindos ao Portugal Moderno…

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Ferreira
    03 mar, 2020 20:27
    Boa noite. A propósito deste artigo, gostaria de contar a minha experiência pessoal. a partir do dia 5 de agosto de 2019 a minhas minhas rotinas e felicidade, pessoal e familiar, foram alteradas. Diagnosticada uma grave doença oncológica , passei a dividir a minha casa com o IPO. Sou um artesão/trabalhador independente. Segundo a segurança social, a partir de julho, (independentemente da minha situação clínica), a minha baixa médica cessará, isto apesar de uma carreira contributiva de 44 anos! A minha esposa neste momento está com baixa médica não remunerada, ou seja, a seg. social não lhe concede o direito de me dar o apoio e acompanhamento que esta doença IMPÕE! Assim o mesmo estado que paga RSI a pessoas condenadas por crime, que distribuiu casas " a granel" por certos grupos raciais e étnicos, ( que nunca fizeram qual desconto para a seg. social),...Que distribui apoios familiares por essas pessoas sem controlo aparente...É o mesmo que nega direitos aos cidadãos doentes, que, temporariamente, precisam do apoio, moral, material, psicológico... da família. Só mais uma ideia... Para acabar com os os sem-abrigo em Portugal... Metê-los todos em botes de borracha encaminhá-los para os portos de Lisboa, Porto Aveiro,.... e.... á sua espera estará alojamento e um subsidio. Isto não é racismo ...mas sim realismo! Aceito qualquer cidadão no nosso país, só não aceito que sejamos discriminados em relação a eles...Perdoem o desabafo...
  • Abel Moura Moura
    03 mar, 2020 14:39
    Esta "geringonça" e pós "geringonça" não tem limites… é ser o mais agradável possível com os seus parceiros, aumentar cada vez mais e mais impostos, menosprezando as prioridades reais da sua aplicação, obtendo assim os seus interesses. Lamento muito que o nosso povo seja tão iludido!
  • mewtwo
    02 mar, 2020 21:56
    Muito bem Ana Sofia de Carvalho, Acredito que não tenho que patrocinar negócios numa Bolsa de valores, nem negócios num Casino vulgar ou chic. Muito menos terei que patrocinar — por extorsão fiscal — negócios de sexo. Quod scripsi, scripsi
  • Marcos Carlos
    02 mar, 2020 Beringel 20:03
    Por essa ordem de ideias as pessoas que atravessam fora da passadeira e levam com um carro em cima, podem usar os "seus impostos" para se salvarem? Quem tem um acidente na Auto-estrada do Norte a 125 kms/h? Para esse já dá o seu amén? Posemos chamar o 112? Deixa? Para quem come demasiadas batatas-fritas e pesa 120 kilos? Pode ter tratamento para a diabetes? Ou tem que ficar cego? Depois que a Eutanásia isto e aquilo... O que a senhora quer dizer é que os homossexuais que...ao menos tenha coragem e escreva tudo o que pensa.