|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

Nem ateu nem fariseu

​A eutanásia do pai

14 fev, 2020 • Opinião de Henrique Raposo


O culto da eutanásia é a consequência final da sociedade libertina e libertária criada pela revolução sexual, que prometeu liberdade, mas que, na verdade, só nos deixou solidão, famílias destruídas e a legitimação das piores formas de machismo.

Leia também


O que poderá unir um conservador católico como JD Vance e uma feminista e defensora acérrima do MeToo como Gabrielle Jackson? A revisão crítica da revolução sexual. À esquerda e à direita, no campo religioso e no campo laico, é cada vez mais frequente a crítica à revolução sexual iniciada nos anos 60 e sublinhada pelos anos 90 de Clinton e Weinstein. É que a alegada revolução sexual foi, na verdade, uma contra-revolução machista e sexista.

Como dizia há dias um soixante-huitard português, o editor e cronista Manuel S. Fonseca, “a liberdade descapotável que veio com a revolução sexual deu cabo de nós”, deu cabo dos homens, deu cabo da ligação entre a masculinidade e a família. A família implica amor, isto é, implica sacrifício, implica uma elevação moral, implica assumir responsabilidades. É como naquela canção do Bruce Springsteen: ele engravida a miúda e, na resposta, não exige o aborto, não a deixa mãe solteira, vai ao sindicato buscar o cartão, entra na fábrica, põe comida no prato. Esta responsabilização foi banida pela cultura da revolução sexual que exigia (e exige) um prazer sexual desligado das consequências do sexo.

A lógica do aborto, por exemplo, dá jeito sobretudo ao homem: não tem de assumir responsabilidades, não tem de mudar de vida para cuidar da criança, e é ela quem passa pelo sofrimento físico e mental do desmanche. Isto não é liberdade, porque liberdade implica assumir as responsabilidade dos nossos actos. Isto é anarquia, e claro que é uma anarquia que prejudica sobretudo as raparigas e mulheres. São elas que abortam. São elas que ficam com as crianças nos braços. São elas que são abusadas de forma sistemática em todos os sectores profissionais. Não por acaso, o feminista MeToo teve de surgir em 2018-2020 com o claro objectivo de civilizar o comportamento machista dos filhos de 68.

A idolatrada revolução sexual retirou a responsabilidade parental do menu da "coolness" do homem moderno. Ser pai não era (não é?) cool. A paternidade entrou em crise. O número de mães solteiras subiu em flecha e não subiu mais por causa dos abortos legais ou ilegais. E a consequência final desta eutanásia do papel do pai está à vista de todos: vivemos num vórtice de divórcios e famílias desfeitas, vivemos um colapso sem precedentes da família enquanto pilar da sociedade. Aliás, o que temos hoje não é uma sociedade, mas sim um mero aglomerado de indivíduos sem ligação entre si, indivíduos que já nem sequer confiam nos laços familiares, mulheres que não confiam em homens, homens que não confiam em mulheres, filhos que não confiam nos pais, pais que não confiam nos filhos, avós que não confiam nos netos, netos que não vêem os avós.

Desta desconfiança no seio da própria família, nasce um medo sem precedentes em relação à velhice e à doença. Sem a protecção do casamento e da família, a velhice e a doença são territórios ainda mais tenebrosos. As pessoas não têm medo de sofrer, têm medo de sofrer sozinhas. E é por aqui que entra a eutanásia. O mal da eutanásia é derramado no mundo através desta fissura da solidão familiar. Enquanto esta fractura não for reparada, a eutanásia será uma tentação permanente da sociedade. Ou seja, a culto da eutanásia é a consequência final da sociedade libertina e libertária criada pela revolução sexual, que prometeu liberdade, mas que, na verdade, só nos deixou solidão, famílias destruídas e a legitimação das piores formas de machismo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Victória Alves Silva Silva
    18 fev, 2020 Oeiras 00:44
    Subscrevo tudo o que o Henrique Raposo disse. Grande cronista do semanário Expresso, que tenho o prazer de ler todas as semanas.
  • Amora Bruegas
    17 fev, 2020 Tomar 16:22
    Boa exposição. De facto, a libertinagem fomentada com o Maio de 68, está aprisionando as pessoas a um futuro cheio de incertezas e de solidão, nomeadamente pela destruição da família, grande objectivo do marxismo cultural, do capitalismo selvagem. O que eles querem, são vivos-mortos!
  • Luis Oliveira
    15 fev, 2020 CESAR 19:26
    Grande, Henrique... Este artigo merecia "tese" na Assembleia da Republica, talvez percebessem que, viver ou morrer não se discute, Ama-se Como é... VIDA. Obrigado pela sua intervenção Lúcida, Madura e de vida que aqui partilha. Haja coragem para falar assim...!
  • Sónia
    14 fev, 2020 Lisboa 18:18
    As generalizações são o mal de todas as ideias. Uma pessoa acamada tetraplégica que definha lentamente em agonia, deve poder fazer o que muitos podem fazer porque se conseguen mexer. Decidir que é hora de partir, parar de sofrer. Enquanto não nos colocarmos no lugar do outro será sempre fácil dar opiniões. Aceitar o ponto de vista e a decisão do outro mesmo sem concordarmos é doloroso mas é também a maior forma de respeito.