|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Bloco não quer “nem mais um cêntimo” no Novo Banco sem uma auditoria às contas

26 fev, 2020 - 19:11 • Lusa

Presidente do Fundo de Resolução anunciou esta quarta-feira no parlamento que o Novo Banco vai pedir mais 1.037 milhões de euros relativos a 2019 para se recapitalizar.

A+ / A-

O Bloco de Esquerda (BE) anunciou esta quarta-feira uma iniciativa legislativa para garantir que não entra "nem mais um cêntimo no Novo Banco sem que seja conhecida a auditoria às suas contas e ao tratamento dos créditos provenientes do BES".

No dia em que o presidente do Fundo de Resolução anunciou, no parlamento, que o Novo Banco vai pedir mais 1.037 milhões de euros relativos a 2019 para se recapitalizar, ao abrigo do mecanismo negociado com o Estado aquando da venda, o BE, pela voz da deputada Mariana Mortágua, decidiu trazer o tema às declarações políticas que esta tarde decorrem no plenário da Assembleia da República.

De acordo com a deputada bloquista, ainda ninguém respondeu pelos "calotes dos amigos de Ricardo Salgado e hoje o país impacienta-se à espera da acusação e julgamento dos administradores responsáveis" pelas "operações que levaram o BES à ruína".

"Mas uma coisa a Assembleia [da República] deve garantir: que não entre nem mais um cêntimo no Novo Banco sem que seja conhecida a auditoria às suas contas e ao tratamento dos créditos provenientes do BES. O Bloco irá apresentará essa proposta e esperamos que, ao contrário do que aconteceu no Orçamento do Estado, desta vez ela seja aprovada", anunciou.

Mariana Mortágua começou por enfatizar que se passaram apenas "19 dias desde o fim da discussão do Orçamento do Estado" e que "a redação final ainda não saiu do Parlamento, o diploma ainda não foi promulgado pelo Presidente da República, e já se abriu um buraco de 400 milhões de euros".

Na perspetiva da deputada do BE, o ministro das Finanças, Mário Centeno, "deve explicar ao parlamento e ao país por que é que o Governo inscreveu no orçamento que o Novo Banco teria um impacto nas contas públicas de Euro600 milhões de euros e, afinal, esse efeito será de 1037 milhões de euros".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Daniel José
    27 fev, 2020 coimbra 11:17
    Acordaram agora?