Tempo
|
A+ / A-

Novo Banco vai pedir mais mil milhões de euros

26 fev, 2020 - 10:30 • Lusa

Informação avançada pelo presidente do Fundo de Resolução, esta quarta-feira, no parlamento. Valor exato: 1.037 milhões de euros.

A+ / A-

O presidente do Fundo de Resolução disse esta quarta-feira, no parlamento, que o Novo Banco vai pedir mais 1.037 milhões de euros relativos a 2019 para se recapitalizar, ao abrigo do mecanismo negociado com o Estado aquando da venda.

Em audição na Comissão de Orçamento e Finanças, a pedido do Bloco de Esquerda, Máximo dos Santos disse que esta é a última estimativa.

"É um valor elevado evidentemente, abaixo de ano passado, mas o do ano passado já de si foi muito alto", afirmou.

O valor que o Novo Banco irá pedir formalmente ao Fundo de Resolução ainda terá de ser validado antes de ser dada ordem de pagamento.

Já para o Fundo de Resolução bancário o pagar, indicou Máximo dos Santos que o Fundo tem 255 milhões de euros de receitas próprias decorrentes de contribuições dos bancos, pelo que para o valor restante irá pedir em empréstimo ao Tesouro público, no limite previsto no Orçamento do Estado, de 850 milhões de euros.

Em 2017, no âmbito da venda de 75% do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star (o Fundo de Resolução tem os restantes 25%), o Estado fez um acordo que prevê a recapitalização do banco pelo Fundo de Resolução (entidade da esfera do Estado) para cobrir falhas no capital geradas pelos ativos tóxicos com que o Novo Banco ficou do BES (crédito malparado e imóveis).

No total, segundo esse acordo, o Fundo de Resolução bancário pode injetar até 3,89 mil milhões de euros no Novo Banco até 2026.

Referentes a 2017 e 2018, o Novo Banco já recebeu 1.941 milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    26 fev, 2020 aldeia 14:55
    Nunca mais acaba!......Já chega.....o dinheiro dos contribuintes deveria ser canalizado para operações produtivas para a população e para o país.
  • Perdemos o nervo
    26 fev, 2020 País dos quebrados 13:42
    E ninguém pára esta sangria!? Manifs por tudo e por nada, ninguém se levanta contra este roubo? Para manter bancos mais que falidos, em vez de investir em serviços públicos, Educação, Saúde, Justiça, e em vez de baixa de impostos, é para aqui que vai o nosso dinheiro e toda a gente encolhe os ombros?