|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Português no Japão foi transferido para hospital de Okazaki

25 fev, 2020 - 10:27 • Marta Grosso com Lusa

Adriano Maranhão vai ser sujeito a novas análises.

A+ / A-

O português infetado com o novo coronavírus num navio de cruzeiros no Japão foi transferido nesta terça-feira de madrugada para um hospital na cidade de Okazaki, na província de Aichi.

A informação é avançada à agência Lusa pela mulher do tripulante, Emmanuelle Maranhão, segundo a qual o marido foi transportado de autocarro em direção ao Fujita University Health Hospital, um hospital recém-construído e cuja inauguração estava prevista para abril.

“Após os testes e análises, que se parte do princípio que lhe vão fazer, irão encaminhá-lo para outro hospital”, acrescentou Emmanuelle Maranhão, que estava a enviar um e-mail dirigido à embaixada portuguesa no Japão a solicitar o acompanhamento do marido.

Adriano Maranhão é tripulante do cruzeiro “Diamond Princess”, onde foram confirmados 691 casos e quatro pessoas morreram.

Na segunda-feira, a diretora-geral da Saúde dissera que o português, canalizador no navio, seria enviado esta madrugada para um hospital de referência local.

Graça Freitas explicou que os sintomas de Adriano Maranhão indicavam que a situação não era grave e expressou a sua “empatia e simpatia” com a família do trabalhador português, cuja mulher tem manifestado, em declarações à comunicação social, queixas de falta de acompanhamento da situação do marido.

Adriano Maranhão não tinha inicialmente sintomas, mas o exame do Covid-19 revelou-se positivo.

O surto do novo coronavírus começou na China no final do ano passado. Em Portugal, já houve 14 casos suspeitos, que resultaram negativos após análises. Há agora um novo caso a ser avaliado.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.