|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Operação Carnaval. Um morto e 418 acidentes nos dois primeiros dias

23 fev, 2020 - 19:50 • Lusa

Reforço da vigilância das estradas portuguesas prolonga-se até terça-feira, 25 de fevereiro.

A+ / A-

A GNR registou 418 acidentes rodoviários e uma vítima mortal nos dois primeiros dias da operação "Carnaval 2020", que começou na sexta-feira, avançou este domingo à Lusa o oficial de operações no comando-geral daquela corporação.

Segundo a Guarda Nacional Republicana, na sexta-feira e no sábado, os dois primeiros dias da operação "Carnaval 2020", ocorreram 418 acidentes, que provocaram um morto, 11 feridos graves e 135 feridos ligeiros.

O oficial de operações no comando-geral da GNR precisou que os dados provisórios são até à meia de noite de sábado, mas ao longo do dia de hoje não se registou qualquer vítima mortal na área de fiscalização desta força de segurança.

A Operação Carnaval prolonga-se até terça-feira, 25 de fevereiro.

A GNR intensificou, na sexta-feira, o patrulhamento e a fiscalização nas estradas portuguesas com objetivo de "combater a sinistralidade rodoviária, regular o trânsito e garantir o apoio a todos os utentes das vias, proporcionando-lhes uma deslocação em segurança" durante o Carnaval.

Durante a operação "Carnaval 2020", os militares da GNR direcionam as ações de fiscalização para a condução sob a influência do álcool e substâncias psicotrópicas, excesso de velocidade, falta de habilitação legal e manobras perigosas, especialmente no que respeitam a ultrapassagem, mudança de direção e cedência de passagem.

A incorreta ou não utilização do cinto de segurança ou cadeirinhas de crianças e excesso de lotação são outras infrações que estão a ser fiscalizadas nesta operação, que termina na terça-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.