|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Morreu D. Ilídio Leandro, bispo emérito de Viseu

21 fev, 2020 - 13:32 • Redação

Resignou ao cargo em 2017, por motivos de saúde. Morreu esta sexta-feira, aos 69 anos.

A+ / A-

Morreu esta sexta-feira o bispo emérito de Viseu, D. Ilídio Leandro.

Apesar de ter apenas 69 anos, feitos em dezembro de 2019, o bispo já tinha problemas de saúde, que o tinham levado a resignar ao cargo em 2017, vários anos antes do limite de 75 anos, a partir dos quais os bispos têm de apresentar a sua resignação ao Papa.

Quando a sua resignação foi aceite deu uma entrevista à Renascença em que explicou que se ressentia das sequelas de um AVC que tinha sofrido anos antes. “Dado o meu estado de saúde pedi a resignação há três anos. Não foi aceite na altura, mas agora renovei, porque sobretudo a nível de memória e de capacidades que são necessárias para conduzir a diocese, sinto-me com grandes dificuldades para levar a cabo a minha missão.”

A notícia da morte de D. Ilídio foi avançada pela diocese de Viseu, numa nota assinada pelo atual bispo, seu sucessor, D. António Luciano, que diz que o bispo emérito morreu às 11h30, no hospital de São Teotónio, "onde estava internado após agravamento da sua saúde".

"Demos graças a Deus pelo dom da sua vida e ministério. Que o Senhor Ressuscitado, aquele que venceu a morte, o receba no seu Reino glorioso. Amen", conclui D. António Luciano.

"Foi um exemplo para nós todos"


A Conferência Episcopal Portuguesa também se manifestou, através do seu porta-voz, o padre Manuel Barbosa. "Quero manifestar, em nome da CEP, o sentido pesar pela sua partida desta vida peregrina e a viva esperança de que esteja na comunhão eterna com Deus, agora como nosso intercessor. Estendo esses sentimentos aos seus familiares e aos diocesanos de Viseu que ele serviu ao longo do seu ministério sacerdotal e episcopal."

O padre Manuel Barbosa expressa ainda o "forte reconhecimento pelo seu prestimoso contributo no seio da Conferência Episcopal, nomeadamente nas comissões e noutros serviços. Que permaneça vivo em nós o seu testemunho de vida, o seu testemunho de serviço à Igreja e à sociedade, e também o testemunho de grande serenidade que manteve durante a grave doença que o atingiu nos últimos anos da sua vida."

Em declarações à Renascença, o cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, lembra que D. Ilídio "sempre foi uma presença disponível e cumpridora", que levou a "sua vida sacerdotal e episcopal com muita entrega e com muito afinco". "Foi um exemplo para nós todos", remata o Patriarca.

O atual bispo de Viseu, D. António Luciano, recorda D. Ilidio "como um cristão exemplar" e "um grande bispo da diocese".

"Foi um grande bispo da nossa diocese de Viseu. Teve o desafio de convocar um sínodo e empreender tantas outras obras. É uma grande falta, um amigo que parte", remata.

D. José Cordeiro, bispo da Diocese de Bragança-Miranda, lembra o "testemunho de vida, de serviço à Igreja e à sociedade, e de grande serenidade que manteve durante a grave doença que o atingiu nos últimos anos da sua vida".

"Rezemos para que D. Ilídio esteja na paz eterna junto de Deus Pai e permaneça vivo em nós o seu testemunho de vida, de serviço à Igreja e à sociedade, e de grande serenidade que manteve durante a grave doença que o atingiu nos últimos anos da sua vida", afirma D. José Cordeiro.

D. Ilídio Pinto Leandro nasceu em São Pedro do Sul, em 1950 e foi ordenado padre aos 23 anos.

Licenciou-se em Teologia Moral em Roma e foi professor de Teologia Moral no Seminário Maior de Viseu, cargo que acumulou com diretor espiritual da mesma instituição.

Nomeado bispo em 2006, pelo Papa Bento XVI, esteve 12 anos nesse cargo, até pedir a resignação antecipada por razões de saúde. O seu lema episcopal era “Convosco, Por Cristo, Para Todos”.

Um dos bispos que participou na sua ordenação ao episcopado foi D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, que publicou já uma mensagem de condolências na sua conta do Twitter.

"É com grande pesar que tomo conhecimento da partida para a Casa do Pai do meu caríssimo amigo D. Ilídio Leandro, Bispo Emérito de Viseu. Obrigado pelo dom amizade. Descansa em paz! Aos familiares, amigos e Diocese de Viseu os meus sentimentos e orações"

Em 2018 D. Ilídio Leandro recebeu o Viriato de Ouro, a "mais elevada e rara distinção" do município de Viseu.

A autarquia manifestou já o seu pesar pela sua morte.

"O município de Viseu manifesta o seu profundo pesar pelo falecimento de Dom Ilídio Leandro, bispo emérito da Diocese de Viseu, que por muitos anos serviu com espírito de abnegação e amor ao próximo a comunidade viseense. A profunda renovação que empreendeu na Diocese de Viseu e as qualidades pastorais e humanas reveladas na relação com as populações e as mais diversas instituições da cidade e região são marcas indeléveis do seu percurso, que todos reconhecem", referiu hoje a Câmara de Viseu.

Em declarações à Renascença, o presidente da Câmara, Almeida Henriques, falou de um homem que deixa uma marca muito forte.

"É alguém que deixa uma marca muito forte e sobretudo a imagem de um grande humanista, de um homem reto, muito dedicado às suas causas, um grande pensador da doutrina social da Igreja e uma pessoa que dedicou a sua vida a Viseu."

A bandeira do município será colocada a meia haste durante três dias.

[notícia atualizada às 20h29]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.