|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

O vício das raspadinhas. Há quem gaste 500 euros num dia só

21 fev, 2020 - 08:56 • Redação

O gasto médio por pessoa nestes jogos é de 160 euros/ano em Portugal, quando em Espanha o valor ronda os 14 euros.

A+ / A-

“Há pessoas que gastam 500 euros por dia em raspadinhas.” Dois investigadores e psiquiatras portugueses alertam que o jogo é um problema social negligenciado em Portugal.

Num estudo publicado na revista “The Lancet Psychiatry”, Pedro Morgado e Daniela Vilaverde, investigadores da Escola de Medicina da Universidade do Minho, chamam a atenção para os perigos desta lotaria instantânea, que tem “potencial para encorajar o jogo excessivo”. Afinal, não exigem conhecimentos em jogo, não são caras e são altamente acessíveis.

Em média os apostadores portugueses gastam por ano 11 vezes mais do que, por exemplo, os espanhóis, avançam vários jornais esta manhã.

Por exemplo, em 2018, foram vendidos 1.594 milhões de euros em raspadinhas. O que significa que, em média, foram gastos 160 euros por português em raspadinhas.

Segundo os investigadores, as raspadinhas são “experiências de recompensa e têm uma rápida frequência de eventos e intervalos de pagamento curtos”, o que contribui para o potencial para o jogo excessivo.

Pedro Morgado, um dos autores deste artigo, diz que devem ser criadas estratégias porque o consumo de raspadinhas chega a provocar dependência. Revela ainda que há cada vez mais procura de consultas de apoio, por causa do vício: são homens e mulheres, muitos já com uma idade avançada e que chegam pela mão de familiares depois de já terem consumido todas as poupanças e de se terem endividado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.