Tempo
|
A+ / A-

D. Manuel Clemente: “Luta” em defesa da vida "continua" após aprovação da eutanásia

20 fev, 2020 - 19:26 • José Carlos Silva

Cardeal Patriarca defende "um outro cuidado à vida na sua plenitude", para "não deixar ninguém sozinho com o seu sofrimento, físico ou psíquico".

A+ / A-

Os cinco projectos a defender a eutanásia foram aprovados esta quinta-feira, no Parlamento, mas para a Igreja Católica em Portugal, o processo não está encerrado. O cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, defende que "a causa continua" em defesa da vida.

“O que nos interessa a todos é que a vida seja devidamente contemplada em todo o arco existencial, da conceção à morte natural. Isto é uma luta, uma insistência. É uma convicção que permanece independentemente do que possa acontecer legislativamente, a causa continua”, afirma D. Manuel Clemente em resposta a uma pergunta da Renascença.

“Isto implica a todos nós, como sociedade, crentes ou não crentes, uma outra atenção às pessoas. Não basta dizer, como nós dizemos, que a vida tem de ser contemplada no seu todo, porque se nós começamos a fazer exceções, mesmo que seja a pedido, depois a vida não se aguenta na sua inteireza. Por isso, como sociedade temos que estar muito mais presentes”, sublinha o cardeal patriarca.

D. Manuel Clemente insiste na necessidade da sociedade no seu todo, ter mais cuidado com a vida. O cardeal patriarca faz o retrato de um país cada vez mais envelhecido, em que muitos idosos são abandonados pela família no hospital.

“Nós temos que ter um outro cuidado à vida na sua plenitude e é isto que nós queremos fazer, para não deixar ninguém sozinho com o seu sofrimento, físico ou psíquico, mas estarmos ao pé delas. Mas isto tem que ser a sociedade toda, o Estado, a sociedade organizada, os cidadãos, uma verdadeira cidadania solidária. Tem de ser algo de completo, não podemos deixar isto a especialistas”, sublinha.

Perante a votação desta quinta-feira no Parlamento, o cardeal patriarca de Lisboa opta por não fazer apelos, nem aos partidos, nem ao Presidente da República, mas a que ninguém deixe ninguém só ao longo da sua existência.

“O apelo que eu tenho a fazer é o que tenho feito: esta é uma frente comum, é uma frente humana essencial, não podemos deixar ninguém sozinho ao longo da sua vida, sobretudo, quando mais precisam de nós. Os clínicos, famílias e voluntários que estão perto de quem sofre dizem que, em geral, as pessoas não querem partir porque estão acompanhadas. A convivência é que é a vida”, destaca o patriarca.

O essencial do debate sobre a eutanásia no Parlamento
O essencial do debate sobre a eutanásia no Parlamento

D. Manuel Clemente em resposta a questões colocadas pela Renascença no final de uma visita ao Hospital de Dona Estefânia, em Lisboa, onde há precisamente 100 anos morreu a Santa Jacinta Marto.

O Parlamento deu esta quinta-feira o primeiro passo a favor da legalização da eutanásia ao aprovar por maioria os projetos de lei do Bloco de Esquerda, do PEV, do PS, do PAN e da Iniciativa Liberal nesse sentido.

As cinco propostas foram votadas em simultâneo, com cada deputado a levantar-se, por ordem alfabética, e a dizer como é que votava para todos.

Todas as propostas conseguiram mais do que os 111 votos necessários para serem aprovados, num dia em que estiveram na Assembleia da República 222 deputados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Ferreira
    20 fev, 2020 21:22
    Hoje é um dia verdadeiramente " histórico" para os portugueses! Finalmente, vamos poder MORRER com a mesma dignidade com que,morrem os belgas, os suíços, os holandeses e os luxemburgueses! Claro que não temos a mesma dignidade, condições e nível de vida...mas isso também seria pedir demais...talvez daqui por 20 anos os nossos políticos consigam resolver o problema! Por agora aproveitemos este "avanço civilizacional" que nos é oferecido gentilmente pelos nossos deputados. Para além disso já é crime abandonar e eutanasiar animais, largando-os na rua a disseminar doenças. Portanto,nem tudo é mau...pelo menos as centenas de sem-abrigo que vivem na rua têm companhia! Por fim gostaria de colocar uma questão aos nossos deputados: Se esta lei foi aprovada com base na "soberana liberdade de cada um em, decidir como quer terminar a sua vida", porque somos forçados a usar capacete quando andamos de moto e, porque somos forçados a usar cinto de segurança? Afinal poderemos ser excelentes condutores e tais situações só poderão colocar ... A NOSSA VIDA EM RISCO! Se somos donos da nossas vidas ... espero que a nossa assembleia da república, em breve despenalize a falta de capacete e de cinto de segurança. "Não, á hipocrisia e á liberdade individual"...Vá lá senhores deputados sejam coerentes...

Destaques V+