Tempo
|
A+ / A-

Manuela Eanes não desiste de referendo à eutanásia

20 fev, 2020 - 19:47 • Pedro Mesquita , com redação

"Tem que haver uma ampla discussão", defende a antiga primeira dama.

A+ / A-

Veja também:


Manuela Eanes reforça o apelo à realização de um referendo sobre a despenalização da eutanásia e considera que o processo não está fechado com a aprovação dos cinco projetos no Parlamento.

“Eu sou uma mulher de fé, otimista e acho que não se deve desistir das causas importantes”, começa por afirmar a antiga primeira dama, em declarações à Renascença.

Depois da aprovação da eutanásia, esta quinta-feira, no Parlamento, Manuela Eanes diz que é altura de “serenar”, fazer uma “reflecção profunda e séria”, para depois se avançar para uma consulta popular.

“Acho que agora devemos serenar. O próximo passo penso que é o referendo, mas não é um referendo qualquer. Tem que haver uma ampla discussão, uma boa informação e não é de um dia para o outro”, defende.

Questionado se aprovação dos cinco projetos pelos deputados é o passo final, Manuela Eanes responde: “nem pensar, de maneira nenhuma”.

O Parlamento deu esta quinta-feira o primeiro passo a favor da legalização da eutanásia ao aprovar por maioria os projetos de lei do Bloco de Esquerda, do PEV, do PS, do PAN e da Iniciativa Liberal nesse sentido.

As cinco propostas foram votadas em simultâneo, com cada deputado a levantar-se, por ordem alfabética, e a dizer como é que votava para todos.

Todas as propostas conseguiram mais do que os 111 votos necessários para serem aprovados, num dia em que estiveram na Assembleia da República 222 deputados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+