Tempo
|
A+ / A-

25 anos da Casa Diocesana de Vilar

Cardeal Angelo Becciu. "Procurar Deus é sempre difícil. Nenhum santo ou santa nasce como tal"

19 fev, 2020 - 08:02 • Aura Miguel , Henrique Cunha com redação

O prefeito para a causa dos santos antecipa à Renascença o que esperar da sua conferência esta quarta-feira, no arranque das celebrações dos 25 anos da Casa Diocesana de Vilar.

A+ / A-

"A Casa Diocesena de Vilar, ao longo destes 25 anos, tem prestado um serviço extraordinário à Diocese do Porto." Quem o garante é o seu diretor, o Padre Samuel Guedes, que à Renascença lembra que a estrutura foi construída "para criar espaços para os movimentos pastorais da diocese", mas também "tem servido para a organização de muitos congressos, muitas iniciativas privadas".

É nesse contexto que, com o arranque das celebrações dos 25 anos do seminário, a Casa Diocesana de Vilar recebe esta quarta-feira o Cardeal Angelo Becciu, prefeito da congregação para a causa dos santos, que protagonizará uma conferência subordinada ao tema "A Santidade no Magistério do Papa Francisco".

Em conversa com a Renascença, o Cardeal Becciu levanta o véu sobre o evento desta noite.

"Venho falar sobre a santidade em geral na vida da Igreja e, em concreto, à luz da Exortação Apostólica do Papa Francisco, a Alegria do Evangelho, que aborda o anúncio do Evangelho no mundo atual e da Exortação Alegrai-vos e Exultai, que o Papa Francisco escreveu sobre a vocação à santidades dos homens e das mulheres do nosso tempo."

Em concreto, adianta, a conferência irá focar-se em "como são realistas os santos e como aderem ao Evangelho, mantendo-se fiéis, no fundamental, às suas raízes culturais" e "como através da alegria, evangelizaram e evangelizam e como e porquê a Igreja é, de facto, uma comunidade de homens e mulheres pecadores e santos".

E que atualidade podem os santos portugueses dar-nos, uma vez que todos viveram em contextos menos secularizados do que aqueles em que nós vivemos hoje?

"Os santos portugueses, já canonizados ou ainda em processo canónico, poderão continuar a ser pontos de referência de como viver integral e coerentemente o Evangelho", responde o Cardeal Angelo Becciu.

"Penso que nunca foi fácil ser santo, mesmo em contextos menos secularizados como os eram os do passado. Os santos e santas tiveram sempre de lidar com as suas próprias contradições, de trabalhar o seu caráter, aperfeiçoar a sua sensibilidade e vontades próprias. Procurar Deus é sempre difícil. Nenhum santo ou santa nascem como tal. Todas as circunstâncias e contextos – mesmo os aparentemente mais cristãos, como os conventos, por exemplo – contêm desafios à fé e à prática das virtudes cristãs."

Para o prefeito para a causa dos santos, "eles e elas podem ensinar aos homens e mulheres de hoje que, independentemente das dificuldades e das 'facilidades' em se viver e propor o ideal que é Cristo, este é e continuará a ser o único Caminho a percorrer, a Verdade a seguir e a Vida a alcançar, com tudo o que implica de decisões a tomar na vida - das mais corriqueiras, do dia a dia, às mais graves, que decidem sobre cada um de nós mas com implicações a nível comunitário e social".

Para o Cardeal Becciu, "os santos e santas são verdadeiros ícones da presença de Cristo na Igreja e na sociedade" e, "quando esta presença é coerente, é sempre difícil, é sempre sinal de contradição". Mesmo assim, ensinam-nos "que a santidade é alcançável e é um caminho também de agradáveis surpresas, que Deus percorre nos tempos e na história, com homens e mulheres de todas as idades e condições sociais, que se entregando incondicionalmente a ele, tornam os seus ambientes luminosos com o Bem que fazem e com a Paz que difundem".

A Santidade nas bodas de prata do Seminário de Vilar

Inaugurada a 1 de Julho de 1995 pelo então bispo diocesano, D. Júlio Tavares Rebimbas, a Casa Diocesana de Vilar surgiu da necessidade de equipar a diocese de um centro pastoral.

E para assinalar o aniversário, a diocese do Porto decidiu organizar um conjunto de conferências que relevassem "alguns dos pilares do pontificado do Papa Francisco", como são o caso da santidade, a pobreza, a ecologia, a misericórdia, o ecumenismo".

A santidade no magistério do Papa Francisco é o tema da conferência, marcada para as 21 horas desta quarta-feira, um tema que não é fruto do acaso. "A diocese tem várias causas em processo de beatificação no Vaticano”, lembra o Padre Samuel Gueres, diretor da Casa. A este propósito, recorda que recentemente “foi proclamada a heroicidade e virtude do nosso querido Padre Américo”, pelo que “não podíamos deixar de ter neste conjunto de conferências esta temática da santidade”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+