|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Caso Marega

Pinto da Costa: "Atitude infeliz. Mais do que racismo foi uma estupidez"

18 fev, 2020 - 13:58 • Redação

O presidente do FC Porto fala sobre os insultos a Marega, em Guimarães. Pinto da Costa defende o jogador, o futebol e censura quem agrediu.

A+ / A-

Pinto da Costa condena os insultos racistas dirigidos a Marega no jogo com o Vitória de Guimarães, solidariza-se com jogador, mas salvaguarda que o que aconteceu não é a matriz do futebol. À entrada para o Palácio da Justiça, no Porto, onde foi testemunhar, por vídeoconferência, no caso do ataque a Alcochete, Pinto da Costa falou em "atitude infeliz" de alguns adeptos do Vitória.

"Aquilo foi uma atitude infeliz, que nem sequer posso dizer que as pessoas sejam racistas. Foi uma maneira de atingir o Marega, porque o Guimarães também tem jogadores de outras raças e não foram ofendidos. É evidente que foi lamentável, têm de ser castigados exemplarmente para que volte a acontecer, mas, mais do que racismo, foi uma prova de estupidez", defende.

Pinto da Costa desconhece os pormenores da lei, mas considera tratar-se de "um problema de polícia". "Como se roubarem as carteiras num estádio, a responsabilidade não é dos clubes, é da polícia", observa. O presidente do FC Porto reforça, por outro lado, que é necessário entender que o racismo não é um problema com origem, ou amplificado, pelo futebol.

"O problema do racismo é estúpido e imbecil, que eu nem entendo porque é que é um problema. Não se pode agora atribuir ao futebol, através dos seus adeptos, como sendo grupos de racistas. Não é isso que acontece. O conceito de igualdade, que defendo, não me foi ensinado por ninguém, foi vivido por mim próprio, na infância, quando alguns dos meus ídolos do FC Porto eram de cor. Para mim era completamento indiferente a raça, o país, a cor. Penso que o futebol, como serviu a mim, serve a muitas crianças para que não exista racismo", realça o dirigente.

Solidariedade total com Marega

Pinto da Costa manifesta "total solidariedade" com o jogador maliano, mas salvaguarda que "não é por ter sido vítima de um ato racista que o Porto tem consideração pelo Marega". "Em dezembro, muito antes de pensarmos que isto poderia acontecer, o Marega recebeu o Dragão de Ouro das minhas mãos.

O presidente portista reprova os insultos a Marega e acrescenta que estaria sempre mal se fossem dirigidos a outro jogador de outra raça. A repercussão mundial do caso é vista, por um lado, como positiva por Pinto da Costa, uma vez que esta situação "lamentável" pode "servir de alerta para que este problema seja debatido".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 18 fev, 2020 17:50
    Vou quebrar o jejum e vou voltar a este espaço RR. Senhor Presidente do FCPORTO deixe-me fazer-lhe uma pergunta mas com toda a seriedade. O Senhor ouviu os " APUPOS " dirigidos ao SER HUMANO e Jogador do FCPORTO Marega? Se SIM o Presidente do Vitória Sport Clube deve ABANDONAR o FUTEBOL e mais não digo.
  • A espuma dos dias
    18 fev, 2020 15:11
    "Aquilo foi uma atitude infeliz, que nem sequer posso dizer que as pessoas sejam racistas. Foi uma maneira de atingir o Marega, porque o Guimarães também tem jogadores de outras raças e não foram ofendidos. É evidente que foi lamentável, têm de ser castigados exemplarmente para que não volte a acontecer, mas, mais do que racismo, foi uma prova de estupidez" - Julgo que melhor que ninguém, o Presidente do FCP explica neste parágrafo a realidade específica do mundo do Futebol. Sobre as intervenções dos políticos, quer de uma ponta à outra, onde incluo, infelizmente, o Sr. Presidente da República, nada mais é do que mero oportunismo, estudado, táctico tendo em vista colher os dividendos. Gostava de ver o Sr. Presidente da República chocado, mas com sentido de Estado e não mero oportunismo, com os 150 trabalhadores que perderam o seu posto de trabalho na indústria do calçado...mas como isso não dá votos e resultados imediatos...