|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Eutanásia. "Pedido para paliativos chega muitas vezes a 24h da morte"

17 fev, 2020 - 16:02 • Liliana Monteiro

Rede Nacional de Cuidados Paliativos é burocrática e tem listas com doentes que já não existem, denuncia a responsável pela Casa de Saúde da Idanha, das Irmãs Hospitaleiras.

A+ / A-

Chocada com a discussão sobre a eutanásia quando não foi feito ainda todo o investimento e debate sobre cuidados com qualidade em vida, a Irmã Paula Carneiro, que acompanha a área dos cuidados paliativos na unidade de saúde das Irmãs Hospitaleiras situada na Idanha, concelho de Sintra, denuncia: há camas destinadas a cuidados paliativos que ficam vazias durante dias por causa da burocracia e do mau funcionamento do sistema.

“Para nós, o doente não é uma doença, é uma pessoa. Quando se controlam sintomas, se dá afetividade e atenção, o doente não se sente um peso, sente-se digno até ao fim”, defende.

Em declarações à Renascença, Paula Carneiro revela que “cerca de 70% da população a precisar de cuidados paliativos não chega a ser referenciada".

"A referenciação, quando ocorre, acontece em fim de vida. Chegam-nos à unidade muitos doentes a 24h ou 48h de morrerem e estamos a perder qualidade em termos de cuidados paliativos, ainda que se esteja a apostar em diferentes dispositivos."

É com tom amargo que a irmã Paula Carneiro afirma que “a burocracia perturba a nossa resposta em tempo oportuno, que não acontece por causa de papeis”. E acrescenta: “Na plataforma, encontramos muitas desatualizações nos registos, doentes que já não existem e ninguém os tirou da plataforma. Há muita gente a sofrer que nitidamente, se tivesse acesso a cuidados paliativos, teria outra forma de olhar a vida e a doença."

“Existem momentos em que morrem três a quatro doentes num só dia. Até à ocupação dessas camas, estamos a falar de três a quatro dias. Em média temos 70% das camas ocupadas”, revela.

“Tenho a unidade cheia apenas por dois ou três dias, de resto tenho camas vazias”, lamenta.

Preocupada com esta situação recorrente questiona: “onde estão estes doentes? Em casa ou com a família sem cuidados adequados? Ou em unidades de medicina com profissionais que não sabem lidar com doentes destes? Há muitos pedidos de ajuda que nos chegam e nós não podemos ajudar”, acrescenta.

“Quando se pode escolher entre dois bens, escolhe-se o melhor”, mas “o que me parece é que neste momento não temos possibilidade de escolha, porque os cuidados paliativos não estão disponíveis para todos os que precisam deles”, sublinha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.