|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Marega fala da "grande humilhação" que sofreu em Guimarães

17 fev, 2020 - 17:54 • Redação

O avançado do FC Porto explica, em entrevista à radio francesa "RMC", o que sentiu perante os insultos racistas dos adeptos. Marega defende as atitudes dos companheiros e de Sérgio Conceição, e responde com dureza ao presidente do Vitória.

A+ / A-

Moussa Marega falou, esta segunda-feira, sobre os insultos racistas de que foi alvo frente ao Vitória de Guimarães. O avançado do FC Porto admitiu, à rádio francesa "RMC", que se sentiu humilhado.

"Foi muito difícil. Foi uma grande humilhação para mim. Mas já passou, já me acalmei e foi bom chegar a casa e ver o sorriso do meu filho. Também foi bom receber tantas mensagens de apoio e agradeço por isso", revelou o avançado maliano, no programa "Team Duga".

Marega disse "basta" aos 71 minutos, quando abandonou o terreno de jogo. Os companheiros do FC Porto tentaram demovê-lo, algo que gerou críticas. Contudo, o maliano garante que "foi uma reação de amigos".

Ainda assim, Marega explica que não reunia condições para continuar em campo: "Foi o estádio inteiro. Era impossível ficar em campo e continuar a jogar com todas aquelas pessoas a gozar comigo."

Sérgio Conceição também tentou que Marega não saísse. Em entrevista à "RMC", o avançado revelou a conversa que teve com o treinador do FC Porto, antes de abandonar o relvado do D. Afonso Henriques.

"Sérgio Conceição viu a minha reação e aproximou-se e agarrou-me para me acalmar e todos me alertaram, quando quis sair de campo, que já tinha cartão amarelo. Mas depois a substituição efetuou-se. Foi tudo feito para que me acalmasse quando regressei aos balneários", contou.

Ligação a Guimarães e resposta a Pinto Lisboa


Marega contou que o seu choque com os insultos racistas foi ainda maior por estes virem dos adeptos de um clube que representou.

"O que me choca mais é isso: joguei no Vitória de Guimarães. Nunca pensei que acontecesse algo do género. Fui muito feliz em Guimarães e sempre respeitei o clube e os adeptos. Quando lá estive, contribuí para a melhor época da história do clube", vincou.

No final do jogo, o presidente do Vitória de Guimarães falou em provocações de Marega para as bancadas do D. Afonso Henriques. O avançado maliano dá uma dura resposta a Miguel Pinto Lisboa:

"O presidente do Vitória é uma besta. Não o conheço, de todo, sei apenas que é recente no clube. Se ele é inteligente, que perceba isto: porque é que marquei o golo e mostrei a cor da minha pele?"

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim
    18 fev, 2020 Aqui 09:21
    Está TUDO ERRADO! Estão a CONFUNDIR VIOLÊNCIA NO DESPORTO (que há muita) COM RACISMO! O que se passou ali foi violência no desporto! Os adeptos do Guimarães são muito (demasiado) fervorosos e ultrapassam certos limites. Foi com um individuo preto, mas se fosse com um branco era igual. Eles (adeptos) tentam encontrar alguma forma de debilitar mentalmente o jogador adversário, seja ele preto ou branco. O Vitória de Guimarães tem vários jogadores pretos na equipa que são apoiados, acarinhados e amados pelos adeptos do Vitória. Na minha opinião quem abriu (ou abriu para trás) a porta da caixa de pandora da violência no desporto, foi o diretor de comunicação do FC. Porto, destilando ódio por tudo o por nada. Hoje em dia, o ódio do adepto de futebol é generalizado, muito à custa desse senhor, que depois passou a comentadores de programas desportivos, que depois se propagou aos adeptos! Outros dos problemas foi o Benfica começar a ganhar campeonatos com regularidade, coisa que os portistas não aceitaram porque estavam habituados a ganhar ano após ano. Eu pergunto: Se fosse um jogador do Benfica, isto tinha estas repercuções? Eu respondo: Não. Mas como a maior parte dos jornalistas, em Portugal, são portistas, houve de imediato um histerismo à volta deste assunto, levando a que, na minha opinião intencionalmente, a que todos ou quase todos confundam violência no desporto com racismo. Não digo que no meio disto tudo não haja racismo, mas dizer que o que o racismo está enraizado na soc
  • Já chega
    18 fev, 2020 há outros problemas 08:53
    Isto já enjoa. É explorar o filão enquanto der. Vão a França, vão a Inglaterra, vão a outros Países que facilmente vêem o mesmo ou pior. Inaceitável? Exato! Mas não entremos em histerismos nem façamos disto uma montanha. A quem convém este desvio de atenções? E desviar do quê?
  • António dos Santos
    17 fev, 2020 Coimbra 20:35
    Isto é lamentável e vergonhoso para Portugal, em que a maioria dos portugueses não são racistas. O futebol é um cancro e chulo do país. Vejamos: 1- Os portugueses estão a ser roubados, com o custo com a utilização de largas centenas de polícias, para policiar fora do campo os adeptos do futebol; 2- pois em outras actividades, em que há movimento de massas, os responsáveis das mesmas, são obrigados a pagar o policiamento; 3- Não entendo, que desde o governo de Sócrates, os processos dos clubes, a nível de finanças, estão centralizados no ministério das finanças, o que viola o normal funcionamento, isto é, cada empresa deve estar afecta ao serviço das finanças, da área da sede, da mesma. Esta situação, para além de ser ilegal, dá aso a haver duvidas sobre a seriedade nesta medida, pois não é transparente!!! Tenho sérias duvidas que os pagamentos dos clubes, não estão regularizados. No entanto se o governo for sério, devia explicar publicamente este assunto. Para finalizar este assunto, enquanto não houver, uma atitude responsável, por parte dos clubes, os jogos deveriam ser feitos à porta fechada. Pois os portugueses não podem a continuar a ser roubados e a sua segurança posta em risco.