Tempo
|
A+ / A-

Presidente da ASPP/PSP diz que polícia recebe indicações para não atuar em caso de cânticos e atitudes racistas

17 fev, 2020 - 17:00 • Redação

"O 'lobby' do futebol é muito forte a ponto de condicionar a política", acusa Paulo Rodrigues. O dirigente diz que "a única novidade" nos acontecimentos de Guimarães "é o facto de Marega ter abandonado" o relvado.

A+ / A-

O presidente da Associação Sindical de Profissionais de Polícia (ASPP/PSP), Paulo Rodrigues, diz à Renascença que a polícia recebe indicações para não atuar em situações de cânticos e atitudes racistas nos estádios.

"Quando as próprias entidades que dão as diretivas à polícia preferem que não haja intervenção se houver um cântico racista no meio de uma bancada... Uma intervenção da polícia traz outro tipo de problemas", diz o presidente da ASPP/PSP.

Paulo Rodrigues questiona: "Será que a polícia não tem identificado [autores de cânticos racistas]. Se calhar, tem. Mas, e acima? Será que tem havido resposta concreta? Quando as pessoas deviam ser punidas, levam apenas contraordenações. Assim, há um sentimento de impunidade."

O presidente da ASPP/PSP defende que, nestas circunstâncias, Governo, Assembleia da República e tribunais têm responsabilidades no que se está a passar no futebol português: "Nós temos alertado, desde há anos, que o espaço do futebol deixou de ser um espaço de desportivismo e de festa e, durante anos, as várias entidades foram assobiando para o lado."

"A violência é desvalorizada por ser no âmbito do futebol", continua Paulo Rodrigues, reforçando: "Tudo o que se tem passado nos estádios, desde agressões a ameaças e a insultos, sejam racistas ou não, têm sido sempre desvalorizados pelas várias entidades responsáveis:"

"Os polícias já fizeram detenções por razões de insultos e, quando chegam a tribunal, os casos são completamente desvalorizados. Os polícias acabam por sentir que não vale a pena estar a fazer detenções para ir a tribunal e saírem de lá humilhados."

Para o presidente da ASPP/PSP, "vários ministros da Administração Interna e vários deputados nunca quiseram tomar grandes medidas para resolver estas questões".

"Hoje, vi entidades a lamentar o sucedido. Muitos deles [dos seus representantes] estiveram em posições em que podiam alterar as coisas e nada fizeram. Limitaram-se a ir ver jogos de futebol a convite de presidentes O 'lobby' do futebol é muito forte a ponto de condicionar a política", acusa.

Paulo Rodrigues considera que neste caso mais recente e de grande impacto, "a única novidade é o facto de Marega ter, de forma corajosa, abandonado o jogo, deixando bem claro as razões que levaram a fazê-lo", porque "o resto não é novidade, estas situações não são novidade".

"É de louvar a atitude de Marega", remata o presidente da ASPP/PSP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+