|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Caso Tancos. Ouvido coronel da GNR acusado de participar na encenação da recuperação das armas

17 fev, 2020 - 07:58 • Ana Rodrigues

O armamento foi furtado a 28 de junho de 2017 e recuperado na Chamusca a 18 de outubro do mesmo ano.

A+ / A-

Amândio Marques, coronel da GNR e ex-director de Direção de Investigação Criminal da GNR, é ouvido esta segunda-feira no tribunal de Monsanto. No processo de Tancos, está acusado de vários crimes ligados à operação de encenação para a recuperação de armamento.

Desde o início que reclama estar inocente e deverá voltar a dizê-lo nesta segunda-feira, perante o juiz Carlos Alexandre, que nunca soube de qualquer encenação e que até denunciou as suspeitas sobre a história mal contada.

A acusação diz que o coronel “incentivou os subordinados” da Guarda com vista a obterem o “reconhecimento” pela recuperação das armas.

Está acusado dos “crimes de associação criminosa, falsificação de documento e denegação de justiça”. Terá autorizado a operação dos elementos da GNR em apoio à Polícia Judiciária militar, dando aval às saídas dos militares da zona do Algarve sempre que fosse necessário.

Só que nada disto confirma o arguido. A defesa do oficial da GNR refere que, depois de aparecerem as armas, Amândio Marques não acreditou na versão que lhe foi contada e mandou elaborar um relatório com os procedimentos da recuperação que entregou depois a Luís Neves, atual diretor da PJ.

Refere ainda que reuniu com os procuradores do DCIAP , titulares do inquérito para transmitir as suas desconfianças e dúvidas. Ora se denunciou como poderia ser conivente? pergunta o arguido que pede agora a não pronuncia dos crimes de que é acusado.

À saída da audiência, Lúcia Dias, advogada de Amândio Marques, voltou a dizer que o seu cliente está inocente e que nada sabia.

“Não houve qualquer pacto de silêncio, não houve qualquer conhecimento dos factos e não há prova minimamente que a sustente”, garantiu aos jornalistas.

Quanto a Taciano Correia, disse ao juiz que Luís Vieira, diretor da PJM na altura, lhe ligou a pedir a colaboração da GNR para recuperar as armas de Tancos – operação que autorizou.

Nove dos 23 arguidos do processo de Tancos são acusados de planear e executar o furto do material militar e os restantes 14, entre eles Azeredo Lopes, da encenação que esteve na base da recuperação do equipamento.

O caso de Tancos envolve 23 acusados, incluindo Azeredo Lopes, ex-ministro da Defesa do primeiro Governo de António Costa e que se demitiu na sequência do caso, Luís Vieira, o ex-porta-voz da instituição militar Vasco Brazão e vários militares da GNR, que estão acusados de um conjunto de crimes que vão desde terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação até falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

O furto de armamento de guerra dos paióis de Tancos, Santarém, foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017, com a indicação de que ocorrera no dia anterior.

A recuperação de material furtado de Tancos ocorreu na região da Chamusca, também no distrito de Santarém, em outubro de 2017, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.


[Notícia atualizada às 13h45, com declarações da advogada de Amândio Marques]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.