|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​China destrói e lava dinheiro para combater coronavírus

17 fev, 2020 - 12:15 • Cristina Nascimento com agências

Bancos chineses estão obrigados a desinfetar o dinheiro a altas temperaturas e com luzes ultravioleta. As notas e moedas tratadas são depois retiradas de circulação entre sete a 14 dias.

A+ / A-

A China decidiu desinfetar e até mesmo destruir dinheiro como medida para ajudar a combater a propagação do coronavírus (Covid-19).

A medida foi anunciada pelo Banco do Povo da China. A entidade revelou que está a desinfetar notas e moedas que potencialmente possam ter estado em contacto com o vírus.

De acordo com o comunicado emitido por estes dias, os bancos chineses estão obrigados a, literalmente, lavar o dinheiro, desinfetando-o a altas temperaturas e com luzes ultravioleta. Estão depois obrigados a retirar de circulação essas notas e moedas entre sete a 14 dias.

O dinheiro proveniente de zonas de alto risco, como hospitais ou mercados, é alvo de tratamento especial e pode vir a ser destruído, acrescenta o Banco do Povo.

Para compensar a retirada de circulação destes valores, o banco central chinês decidiu reemitir largas quantidades de dinheiro. Só para Wuhan, zona do país onde o surto surgiu, foram emitidos quatro mil milhões de yuans.

O Covid-19 já matou 1.770 pessoas na China continental e infetou 70.548.

Além de 1.770 mortos na China continental, há a registar um morto na região chinesa de Hong Kong, um nas Filipinas, um no Japão e um em França.

As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei, no centro do país, para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.