|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - Eutanásia, o debate - 16/02/2020
Conversas Cruzadas - Eutanásia, o debate - 16/02/2020

​CONVERSAS CRUZADAS

Eutanásia, o debate

16 fev, 2020 • José Bastos


Rosário Gamboa, Ana Sofia Carvalho e Nuno Botelho analisam a atualidade.

O debate sobre um tema como a eutanásia orienta-se em várias direções e divide opiniões, em muitos casos, dispersas ao longo de eixos filosóficos, sociais e políticos.

Não sem exceção, a matéria dominou esta semana o discurso político e social com divisões entre quem defende o referendo e os que apoiam alguma das propostas de cinco partidos que, na próxima quinta-feira dia 20, serão submetidas a discussão e votação no parlamento.

Nesta emissão vai ser avaliado todo o processo, o que está em causa, o debate em curso, ou ausência de discussão, na sociedade portuguesa. Também se irá percorrer todo o conjunto de elementos de dimensão mais politica e legislativa.

Como este pano de fundo aguardam-se contributos como o novo parecer do Conselho de Ética de para as Ciências da Vida, ou a hipótese de um referendo que conduza ao ‘não’, porque a recomposição dos votos parlamentares garante a viabilização da lei, ao contrário de há dois anos quando a eutanásia chumbou por cinco votos.

No contexto – previsível - do Conselho de Ética se pronunciar negativamente face aos projetos de lei e uma maioria parlamentar contra o referendo (se não surgir a iniciativa popular de 60 mil assinaturas), no limite, só o Tribunal Constitucional pode bloquear a alteração.

São temas para o debate com Rosário Gamboa, professora do ensino superior, Ana Sofia Carvalho, especialista em bioética e docente da Universidade Católica e Nuno Botelho, empresário e presidente da ACPorto.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.