RR
|
A+ / A-

D. Anacleto Oliveira

Bispo de Viana do Castelo. Eutanásia é "sintoma de comodismo na sociedade"

11 fev, 2020 - 13:45 • Aura Miguel

Questionado sobre o retorno do tema da eutanásia ao Parlamento, D. Anacleto Oliveira fala num "desafio" não só "para os católicos" mas "para os portugueses em geral".

A+ / A-

Leia também


O bispo de Viana do Castelo, D. Anacleto Oliveira, considera que a eutanásia é "um sintoma de uma crise profunda" que a sociedade atravessa, "em que há uma falta de respeito pela vida humana em geral" e, em particular, pelas "pessoas que são um peso para a sociedade".

"É essa a questão de fundo e, portanto, [a eutanásia] é um sintoma de um certo comodismo que se vai apoderando da nossa sociedade e contra o qual nós devemos lutar", defendeu o bispo de Viana do Castelo esta terça-feira, em entrevista à Renascença.

Questionado sobre o retorno do tema da eutanásia ao debate público e ao Parlamento, D. Anacleto Oliveira defende que este é "um desafio" não só "naturalmente para os católicos" mas "para os portugueses em geral".

"É um desafio que devemos aproveitar, para criar nas pessoas um respeito muito grande pela vida humana, não apenas em relação a este aspeto em concreto mas em geral", sustenta.

O debate e votação das quatro propostas de lei sobre eutanásia que estão atualmente no Parlamento decorre no próximo dia 20 de fevereiro e, da que forma que o atual hemiciclo é composto, espera-se que pelo menos uma seja aprovada. A votação final global será depois agendada, mas dificilmente se realizará antes de abril.

Face a isto, D. Anacleto Oliveira defende que "devemos lutar por esta frente comum" de respeito pela vida humana. "Repito: esta crise tem muitos sintomas e a questão da eutanásia é apenas um deles."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.