|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Rui Rio e o referendo à eutanásia: "Logo se verá"

13 fev, 2020 - 19:40 • Susana Madureira Martins , com redação

O líder do PSD diz-se tendencialmente pró-eutanásia, mas confessa que ainda não sabe como vai votar no Parlamento os cinco projectos de legalização desta prática.

A+ / A-

Leia também


Logo se vê. É a resposta do presidente do PSD, Rui Rio, à questão se defende ou não um referendo à legalização da eutanásia.

O líder do PSD falava esta quinta-feira à tarde, na sede do partido, após uma reunião com o novo presidente do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos.

Rui Rio não abre o jogo sobre se vai dar seguimento à moção que foi aprovada no congresso do passado fim de semana. Primeiro está a votação de dia 20 e, a seguir, logo se vê o que faz o PSD.

"Estou convencido de que muitas das pessoas que pedem o referendo, verdadeiramente não querem o referendo, se não já o tinham pedido há um ano. Na verdade, o que está em causa não é o referendo, é, ganhando o 'sim', então querem um referendo", considerou.

"Agora temos uma votação no dia 20, depois a especialidade e a votação final global. Depois de tudo isso acontecer logo se verá quem ganha e o que a sociedade quer", afirmou Rui Rio.

O líder do PSD diz-se tendencialmente pró-eutanásia, mas confessa que ainda não sabe como vai votar no Parlamento os cinco projectos de legalização desta prática.

Rui Rio vai dar liberdade de voto nesta matéria, como é de resto habitual na bancada social-democrata, ao contrário do CDS. O líder centrista, Francisco Rodrigues dos Santos, refere que os portugueses não votam na consciência dos deputados e faz questão de vincar a diferença em relação ao PSD.

Francisco Rodrigues dos Santos mostra-se favorável à realização de um referendo à legalização da eutanásia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.