RR
|
A+ / A-

Notícia Renascença

Socialistas propõem Fernando Gomes contra Isabel Camarinha para líder da CGTP

14 fev, 2020 - 19:54 • Ana Carrilho

Tendência minoritária faz questão de marcar posição no XIV Congresso da CGTP. Socialistas não apoiam Isabel Camarinha e defendem que a central sindical deve alargar a base social de apoio.

A+ / A-

Veja também:


A Tendência Sindical Socialista vai propor Fernando Gomes como candidato a secretário-geral da CGTP, em confronto com Isabel Camarinha, que é dada como a nova líder da central sindical.

A Renascença apurou que a proposta será apresentada na primeira reunião do novo Conselho Nacional, que será realizada esta sexta-feira. Dessa reunião sairá a nova Comissão Executiva, o secretariado e o secretário ou secretária-geral.

O socialista Fernando Gomes não tem qualquer hipótese de vencer Isabel Camarinha, apoiada pelos comunistas, que representam dois terços do Conselho Nacional e da Executiva. No entanto, esta tendência minoritária faz questão de marcar posição, defendendo que a CGTP deve alargar a base social de apoio e deixando claro que não confiam que a candidata indigitada cumpra esse princípio.

Também os seis sindicalistas do Bloco no Conselho Nacional vão tentar, mais uma vez, que um deles venha a integrar a Comissão Executiva. Este órgão pode ter entre 20 e 30 membros. Atualmente tem 29 e assim deverá continuar. Várias fontes já garantiram à Renascença que ainda não é desta que os bloquistas chegarão ao órgão de cúpula da Inter.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ex-Sindicalista
    15 fev, 2020 Cá 11:09
    Devem querer 2 UGT's como se a primeira não estivesse já ao serviço do patronato, com as assinaturas de acordos gravosos para os trabalhadores